Gilberto Empreendimentos
Lorsa
São Pastel
Arpoli
inroda
Maré
Alecrim

Colunista

Ladroagem oficial | Pedro Israel Novaes de Almeida
18 de abril, 2018

          Seria injusto afirmar que a corrupção integra nossa cultura e tradição.

         Na verdade, ela sempre integrou a cena brasileira, e há séculos convivemos com desonestos, públicos e privados. Aprendemos a emprestar status diferenciados à roubalheira.

         De um lado, o simples e odiado ladrão, que simplesmente se apropria de algo que não lhe pertence, seja uma galinha ou todo o galinheiro. De outro, o corrupto, de status mais refinado e educados trejeitos, que rouba o que a todos pertence.

         O corrupto não faz uso da força, e sequer ameaça a integridade física de suas vítimas, que pouco experimentam a sensação de que foram lesadas, imaginando que o objeto ou quantia roubada pertence a um ser abstrato e nada familiar, vulgo Estado. São poucas as percepções de que a corrupção limita a prestação do serviço público, notadamente nas áreas da saúde, educação e segurança.

         A corrupção é uma praga humana universal, e recebe tratamento diferenciado, segundo o grau de civilidade e maturidade das instituições de cada país. São raros, raríssimos, os ditadores honestos, e a centralização do poder é um dos principais ingredientes da roubalheira oficial.

         Duas providências enfraqueceram a corrupção, mundo afora: a certeza da punição e a condenação social, principalmente pelo uso do voto como reprimenda aos desonestos. Em países onde reina, já histórica, a impunidade, e onde a população insiste em eleger e reeleger bandidos engravatados, instala-se o império da falcatrua, da insensatez e da miséria social.

         No Brasil, pouco adiantou a instituição de sofisticados rituais para o gasto público, a começar pelas diferentes modalidades de licitação. Acabamos por prestigiar a forma e negligenciar o conteúdo, tornando um procedimento útil em mero cumprimento de enfadonha formalidade.

         Algum licitante pode sair vencedor de alguma concorrência, pelo parâmetro preço, mas estar previamente acertada a entrega de quantidade menor de mercadoria. Como apurar se foram entregues 70 ou 80 toneladas de emulsão asfáltica, das 100 adquiridas e pagas pelo poder público ?

         A política gera poderes que a tornam atrativa e até rentável, como autorizar despesas, contratar e nomear, no Executivo, ou omitir, consentir, indicar nomeáveis e até roubar junto, no Legislativo. No Brasil, o uso indevido da máquina pública sustenta a legião de cabos eleitorais comissionados, facilita a reeleição e perpetua a malandragem.

         A Lava Jato não vai erradicar a corrupção. Vai, no máximo, demonstrar-lhe as entranhas e enjaular alguns safados.

         A operação está lançando luzes sobre a precariedade de nossos homens e instituições, judiciárias, executivas e legislativas, além de tirar das sombras a realidade da mídia, das organizações ditas sociais e das vertentes partidárias que exaltam criminosos.

         A Lava Jato está entregando, à população, a radiografia de nossa incivilidade. Daí em frente, caberá a cada um combater, em seu entorno, a desonestidade.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

            

        

Reciclados | Pedro Israel Novaes de Almeida
16 de abril, 2018

 

A humanidade, desde as cavernas, vem produzindo lixos.

         Os restos e descartes, inicialmente, eram poucos, e simplesmente jogados, de preferência longe do entorno de quem os produziu. Com o tempo, alguns restos orgânicos passaram a ser queimados, como medida sanitária para evitar a disseminação de doenças e mau cheiro.

         Rios e mares sempre foram, e ainda são, os destinos preferenciais do lixo. Além da poluição das águas, causa enchentes e compromete a vida marinha.

         Com o tempo, as montanhas de lixo ficaram frequentes, e começaram a ser valorizadas as atividades de reutilização, reciclagem e diminuição do volume descartado. O fogo foi a universal e primeira medida para diminuir o volume, prática ainda muito utilizada, com agora com viés de clandestinidade.

         No Brasil, país de baixíssima reciclagem, os tristemente famosos lixões reúnem multidões de vasculhadores, que vivem e trabalham em condições desumanas e insalubres. Conseguem, no máximo, a precária sobrevivência.

         Nas cidades, poucos separam o lixo, providência que facilita a coleta seletiva. Latas de alumínio são descartadas junto a restos de feijão, carne e óleo comestível.

         Muitos ocultam cacos de vidro em meio ao lixo orgânico, causando acidentes que vitimam lixeiros e frequentadores de lixões. Na maioria das cidades, catadores de reciclados operam na informalidade, tentando ultrapassar a crônica e useira falta de equipamentos de proteção, barracão, balança, compactador e veículo de carga.

         Informais, os catadores guerreiam por percursos mais rentáveis, e alguns amealham recicláveis, lançando em ruas e calçadas o material que não lhes interessa.  É uma verdadeira guerra fraticida.

         O preço dos reciclados é baixo, despontando como valiosos as latas de refrigerantes e garrafas pet. Em geral, um quilo do lixo reciclável comum vale vinte e cinco centavos de Real.

         A rigor, todo material é reciclável, bastando que se alie, à técnica, economicidade. Os patinhos feios do setor são o lixo hospitalar e isopores.

         A questão do lixo, no Brasil, tem sido negligenciada, e muitas prefeituras ainda consideram favores os poucos incentivos e amparos que destinam aos coletores de recicláveis. Os próprios lixeiros, agora garis, ainda operam em más condições, sanitárias e salariais.

         O lixo representado por embalagens de agrotóxicos e restos eletrônicos já foi objeto de providências, pelo legislador. A tendência aponta para a responsabilidade solidária de fabricantes e comerciantes, pelo material que disseminam.

         São raras as campanhas de esclarecimento, a respeito do descarte de materiais tóxicos e medicamentos, potencialmente letais. As embalagens, mais valorizadas e volumosas que os produtos que contêm, devem ser aperfeiçoadas à condição de mínimo indispensável.

         A comunicação eletrônica reduziu drasticamente a utilização do papel, economizando árvores. Ainda bem que corruptos não emitem recibos e tratam verbalmente suas safadezas.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

        

            

O que as pessoas vêem... e o que vêem, e não é real | João Antonio Pagliosa
16 de abril, 2018

Quando não fazemos reflexões profundas sobre determinados fatos, invariavelmente cometemos erros de julgamento. Erros de julgamento sempre trazem prejuízos, de uma forma ou de outra...

Li nesta semana que há pessoas prometendo se matar, caso a justiça não libertar o homem que é a maior desgraça que aconteceu a este país: Luiz Inácio Lula da Silva!

Se as pessoas aquilatassem o quanto este insano, que agora julga-se uma ideia, tirou de seus bolsos e esvaziou suas despensas, certamente desmistificariam este maluco que tem como único deus, Mamom!

É certo que o homem comete erros. Também é certo que o homem repete os mesmos erros ao longo da história... Agora, insistir em pensar de forma errônea, é de amargar! E quando alguém quer se suicidar em prol de um safado, aí chegamos ao cúmulo da burrice e da insensatez.

Cada um de nós existe porque Deus assim o quis. Cada um de nós tem livre arbítrio porque Deus assim o quis. Deus ama apaixonadamente cada criatura porque Deus é assim: Um poço de amor e bondade... De justiça e de benignidade... Deus é muito bom!

Mas, Deus nada pode fazer por aqueles que trilham caminhos errados e não se arrependem e nem se redimem. Estes terão uma eternidade para se arrepender... E será em vão!

As últimas semanas foram terríveis para este escriba. Minha mãe adoeceu e seu quadro clínico era muito ruim e ficou em coma induzido por quase duas semanas, porém ontem ela recebeu alta do hospital e agora está convalescendo na casa de sua filha mais velha.

Acompanhei todo o processo dessa doença e quando minha mãe recobrou a consciência eu vi o quanto ela estava grata a todos que a ajudaram nessa recuperação. Ela agradecia a todos, ela beijava a mão de todos que a visitavam, ela sorria e se alegrava muito com sua recuperação... Ela fará 90 anos no próximo dia 28 de junho, todavia, parecia uma menina, tamanha sua alegria por recuperar a vida.

Sabe porque, querido leitor? Porque Deus nos fez assim...

Ninguém em sã consciência quer morrer! Pois a vida é um dom maravilhoso que recebemos de Deus de forma gratuita...

Deus nos criou para vivermos no paraíso com Ele, mas o pecado de Adão e Eva nos tirou de lá, e para voltarmos para lá onde Deus nos quer, Jesus, o próprio filho de Deus, precisou morrer morte de cruz, isto é, a pior das mortes...

Ninguém tem maior amor que aquele que nos criou. Em João 15:13. entendemos a dimensão do amor de Deus, e  compreendemos que a essência do Evangelho está no livro de Gênesis. Há ali uma expressão que se repete várias vezes. Essa expressão é: "E viu Deus que era bom!"

Porém, ao criar o homem, a expressão mudou para: "E viu Deus que era muito bom!" Ora, a essência do Evangelho é que nós somos a obra prima da criação de Deus, e Ele nos ama mais do que qualquer outra coisa que criou."

As pessoas não vêem que amar o dinheiro os afasta de Deus, e lamentavelmente conheço pessoas que só amam dinheiro. Para elas o dinheiro vem em primeiro lugar, e pelo dinheiro cometem os erros mais infantis, e julgam de forma precipitada e fazem injustiças homéricas. E não se preocupam quando difamam e humilham e escarnecem...

O que sei é que Deus vê todas as coisas, portanto, nada lhe passa despercebido e sobre tudo aquilo que fizermos seremos julgados... O que sei é que a vingança pertence a Deus... Outrossim, oro por aqueles que não vêem o que é real!

 

Curitiba, 14 de abril de 2018

João Antonio Pagliosa

www.palestrantejoaopagliosa.blogspot.com.br

Lula Nobel da Paz | João Baptista Herkenhoff
16 de abril, 2018

 

Trataremos de três assuntos no artigo de hoje.

O nome do ex-presidente Lula está sendo cotado para receber o Prêmio Nobel da Paz.

O galardão é entregue todo ano, no dia dez de dezembro, que é o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

A candidatura de Lula está sendo proposta pelo argentino Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do prêmio em 1980. Vem recebendo apoio de figuras do cenário internacional.

O primeiro brasileiro cogitado para a premiação foi o Arcebispo Dom Hélder Câmara. Houve uma grande pressão da ditadura brasileira, então vigente, para evitar a outorga do prêmio a alguém que denunciava os abusos contra os direitos humanos que estavam então sendo praticados em nosso país. Dom Hélder não foi indicado.

Agora Lula é o segundo brasileiro a ter o nome colocado em pauta.

Mesmo que Lula não seja contemplado com o mais importante prêmio concedido a lutadores pela Paz, a simples lembrança do seu nome, com o aval de figuras exponenciais que lutam pela Dignidade Humana, pelo  Pacifismo e pelos mais altos valores da Civilização – é uma glória insigne.

A importância da homenagem é tão grande que, numa hora como esta, não deve haver brasileiros lulitas e brasileiros anti-Lula.

Cessem as contendas, cessem as divergências. Que todos nos sintamos homenageados na pessoa do brasileiro escolhido.

É providencial que a entrega do prêmio ocorra depois das eleições presidenciais em nosso país. O prêmio fica a salvo dos embates partidários.

O segundo assunto de hoje é manifestar desaprovação a humilhações a que Paulo Maluf está sendo submetido durante sua prisão. Todo preso, sem exceção, tem direito a tratamento digno. Jamais, em toda a minha vida, escrevi qualquer texto a respeito de Maluf.  Mas hoje, à face do desrespeito à dignidade  de Paulo Salim Maluf, pessoa humana, não posso me calar.

Finalmente, quero censurar isto que podemos chamar de denuncismo. Uma pessoa é formalmente denunciada, de acordo com o Código de Processo Penal, ou seu nome é apontado no noticiário como autor de um crime.

Essa pessoa, sem que lhe seja assegurada defesa, é bombardeada com o estigma de criminoso, bandido, ladrão etc. Não importa se o dito cujo tem filhos ou parentes próximos que sofram a humilhacão. Em nome de uma suposta e, às vezes, hipócrita defesa da ética, esmaga-se a Ética.

Não se confundam alhos com bugalhos. É preciso estar vigilante para não ser arrastado pela confusão de conceitos, confusão que muitas vezes é proposital e maliciosa.

 

João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), professor aposentado (UFES), palestrante em atividade.

E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com

Site: www.palestrantededireito.com.br

 

                               É livre a divulgação deste artigo, por qualquer meio ou veículo, inclusive através da transmissão de pessoa para pessoa.

Estiagem conturbada | Pedro Israel Novaes de Almeida
05 de abril, 2018

Quando o primeiro português desceu da caravela, algumas regiões do nordeste já passavam por forte estiagem.

         A primeira e eterna providência foi socorrer as populações que, aos poucos, foram ocupando aqueles espaços. Caminhões – pipa, frentes de trabalho e crédito para não ser quitado inundaram a região, atraindo e consolidando moradores.

         Ao crédito rural foi acoplado o seguro agrícola oficial, e as estiagens passaram a ser tratadas como inesperadas e fortuitas. O Proagro cobria o prejuízo das aventuras e irresponsabilidades oficiais.

         Instalou-se, tão pérfida quanto criminosa, a indústria da seca, que produzia bem mais que eventuais chuvas. Foi consolidada uma casta política de poucas virtudes, repetidamente eleita com os favores que conseguia, a crescente categoria de dependentes de providências oficiais.

         A população nordestina, com vasta cobertura até de cancioneiros e poetas, foi conduzida a considerar a seca como inesperado causador de sofrimentos e misérias. Deus passou a ser apontado como causador de estiagens, que jamais eram esperadas no ano seguinte.

         Enquanto isso, Argentina e China tratavam seus desertos com naturalidade, com poucos sobressaltos e sofrimentos. O Brasil decidiu, então, revogar o clima, e tratar a seca com os remédios da politicagem e favores, que geravam cargos e feudos.

         Populações acabaram instaladas em regiões incapazes de gerar sustentos, e são as maiores vítimas da encurtada visão e alongada  irresponsabilidade oficial.  A região foi alvo de pouquíssimos investimentos que pudessem permitir a emancipação dos dependentes.

         Árabes e israelenses vivem em ambientes mais inóspitos, mas edificaram onerosíssimos sistemas, que envolvem até a  retirada do sal da água marinha, e seu transporte a áreas de consumo. No Brasil, universidades e institutos de pesquisa estão abarrotados de sugestões técnicas, pouco lidas, que minorariam, e até solucionariam muitos problemas.

         Certa feita, acompanhando uma equipe técnica internacional, ficamos envergonhados quando, na foz do São Francisco, fomos indagados se era correto deixarmos tanta água seguir ao mar, deixando para trás tanta secura e sofrimento.

         O nordeste envolve muitas paisagens, algumas chuvosas e com terras férteis. Hoje, ostenta uma próspera indústria.

         Grande parte dos nordestinos, contudo, ainda reside em regiões de colonização artificializada, sofrendo as agruras de um clima que sujeita a sobrevivência a providências sempre eleitoralmente agradecidas. Têm razão a assertiva de que o nordestino é, sobretudo, um forte.

         A atual crise, com severas limitações do erário, deixa mais distante os investimentos necessários ao soerguimento da agricultura regional, a partir de espécies vocacionadas. A centenária crise de ética e representatividade  continua a opor obstáculos a medidas que diminuam dependências e valorizem a cidadania.

         Dependências geram currais eleitorais.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

        

          

Rede conturbada | Pedro Israel Novaes de Almeida
21 de março, 2018

A internet revolucionou o mundo.

         Minorou os isolamentos, culturais e sociais, modificou hábitos e atuou como verdadeira bomba, nas economias. A tecnologia, que frequentava mesas com pesados computadores, hoje é manipulada em todos os lugares, do trânsito aos pontos de ônibus.

         A internet sepultou quase por completo as famosas e melancólicas cartas manuscritas, anunciadas com garbo pelos funcionários dos correios, e tornou raros os interurbanos, com ou sem a interferência de telefonistas. Pesquisas eram realizadas em bibliotecas, e transcritos manualmente os textos escolhidos. 

         Viajantes, milhões, percorriam todo o país, lotando hotéis e carregando mostruários, em busca de pedidos de varejistas. Era pródiga a indústria de livros didáticos, e feroz a concorrência por indicações, nos estabelecimentos de ensino.

         Lojas físicas disputavam os melhores e mais onerosos pontos de venda, obrigando o potencial comprador a peregrinações, em busca de melhores preços. Aulas, palestras e provas são disponibilizadas nos equipamentos, de posse e uso já popularizadas.

         Lojas virtuais constroem vitrines vistas em todos os lugares, com sofisticados, rápidos e muitas vezes seguros sistemas de entrega. A procura e oferta de oportunidades de emprego aumentou sua visibilidade, e até a busca por animais e aves desaparecidas ganhou milhões de colaboradores.

         A maior revolução da internet, contudo, ocorreu com a popularização das redes sociais. A interação entre povos e pessoas liquidou com a ditadura dos tradicionais meios de comunicação, como TV e jornais, que insistem em filtrar as informações, sob a ótica sempre míope de suas conveniências, financeiras e, quase sempre, políticas.

         O aglomerado humano das redes, contudo, espelha as maldades e bondades da espécie, exigindo dos usuários cautelas e responsabilidades. É inteiramente falsa a noção de que as redes constituem um território inteiramente livre e impune.

         O judiciário e as polícias já estão repletos de casos de ofensas, mentiras e maledicências, já contumazes frequentadoras das redes sociais. Postagens são compartilhadas sem qualquer checagem de sua veracidade, viralizando o pérfido desmonte de biografias e até mesmo a boa fama de produtos comerciais.

         Nos campos político e partidário, o ambiente tornou-se selvagem, com discussões e acusações que beiram a grosseria e fanatismo. O acirramento das disputas por fatos e versões liquida antigas amizades e até relações familiares.

         Acabamos, os frequentadores das redes, confinados a tribos distintas, sujeitos à leitura de considerações sem nexo, apaixonadas e cegas, sempre que o integrante de alguma tribo ousa frequentar os desígnios da tribo adversária.

         O amadurecimento, quiçá oriundo da civilidade, pode e deve ser antecipado por simples exclusões, que tornam mais agradáveis os ambientes pessoais. Ainda chegaremos lá !

                                                                   pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado. 

     

        

          

Será preconceito? | J. Barreto
18 de março, 2018

Digo e repito: não tenho compromisso com o Prefeito, com os Secretários, e nem com qualquer político, mas tenho com minha consciência e com a responsabilidade de um cidadão engajado com a cidade e seu povo. 

Mas vamos ao que interessa; fiquei sabendo pela mídia que o meu amigo, vereador Francisco Barreto, logo ele, fez uma denúncia na Câmara de que a prefeitura estava fazendo serviço de tapa buraco em uma estrada rural enquanto a cidade está toda esburacada e que seria nela a prioridade deste serviço.  Realmente, Avaré mais parece um queijo suíço, mas vamos e convenhamos, nas ruas você pode buscar alternativas, pode rodar em menor velocidade, pois dentro do perímetro urbano as distâncias são relativamente curtas.

Também fiquei sabendo que a famigerada estrada rural que estava sendo reparada é a da Ponte Alta.  Sr. Vereador, por acaso você conhece aquela porção do nosso município?  Se não conhece, vou ajudá-lo um pouco.   Por aquelas bandas existe uma escola rural, tem o Assentamento  Santa Adelaide, muitos pequenos sitiantes e também grandes propriedades com produção de florestas, de laranja, muitos produtores de cereais, e muitas outras atividades, e que todas elas dependem exclusivamente desta estrada e, antes da mesma ser asfaltada, qualquer chuvinha a tornava intransitável pois a mesma se encontra em uma serra de solo vermelho, portanto mais liso que sabão.

Não tenho nenhum vínculo especial com esta região, e a última vez que a percorri foi na condição de recenseador no Senso 2010.  Antes de criticar qualquer coisa, devemos ponderar não somente aquilo que está ao alcance de nosso nariz, mas ponderar tudo aquilo que nossa vista possa alcançar. Não é obrigação de nenhum fazendeiro, sitiante, assentado, ou qualquer outro morador fazer parceria com a prefeitura, pois eles já pagam seus impostos como qualquer cidadão urbano, ou até mais, e estes serviços são obrigação da prefeitura. 

Na minha condição de homem do campo, não me interessa quem é o Prefeito, quem é o Secretário, ou quem mandou tapar buraco na estrada da Ponte Alta.  Quero parabenizar quem deu tal ordem, e que o mesmo olhe por todas a nossas estradas, pois sem os campos as cidades não sobrevivem!

 

J.Barreto

Fundo do poço | Pedro Israel Novaes de Almeida
14 de março, 2018

Somos, diariamente, massacrados por notícias que angustiam.

         O lado trágico de tais notícias reside no fato de não termos, pessoalmente, como interferir para dar um basta aos absurdos que acontecem, mundo afora e em nosso próprio quintal.

         A Síria tem sido palco de um festival de horrores, e a barbárie segue, sem discriminar idades e fragilidades. Ali, as vítimas são meros e desprezados detalhes, no tabuleiro onde guerreiam poderosos.

         Na Venezuela, o caos político continua gerando fome, desemprego e uma inflação de três dígitos, sob a batuta de um ditador que aparelhou todos os poderes do Estado. Sírios, e agora venezuelanos, tentam encontrar, em outros países, o respeito e calmaria que perderam.

         Organizações de países seguem, tão impotentes quanto inoperantes, delegando, a um seleto grupo de poderosos, o poder de vetar soluções que não lhes interessam. De respeitadores da soberania dos povos, rumamos a mantenedores de ditaduras perversas, como se fossem implantadas por quereres da população.

         O mundo anda repleto de governantes exóticos e extravagantes, que não raro chegam ao poder com discursos maravilhosos, e logo passam a imperar sob a batuta da desonestidade e desrespeito, impondo ao povo os mais estranhos e pérfidos ideários, que não raro contemplam o culto personalista do mandatário.

         O Brasil, onde impera a visão popular de que ainda falta muito para chegarmos ao fundo do poço, a descrença cresce dia a dia, generalizada. Poderes e poderosos são continuamente desacreditados, pelo turbilhão de escândalos que são diariamente noticiados. No incestuoso relacionamento entre os poderes, as leis acabam entendidas e aplicadas sob o manto desavergonhado dos conchavos e conveniências.

         O loteamento de cargos e estruturas, prostituído e imoral expediente para a constituição de bancadas parlamentares, corrói, há séculos, o regular funcionamento e credibilidade das instituições. É triste a situação de um povo que não se considera representado, pouco acredita em suas autoridades e míngua, nas portas dos hospitais, para morrer vítima de violência, em uma esquina qualquer.

         Seríamos mais felizes se nossos infortúnios decorressem da ineficiência dos governos, ou da natural pobreza de nossos recursos naturais. Ocorre que o Brasil é naturalmente riquíssimo, e nosso maior algoz é a desonestidade humana, encastelada em quase todas as estruturas oficiais.

         Estamos, aos poucos, perdendo a civilidade, e espetáculos diários de grosseria e desacato surgem, aqui e acolá. Temos sido crescentemente tolerantes com os desvios de comportamento e atitudes violentas, na escola, no trabalho e na própria casa.

         Tradições e culturas encontram-se fragilizadas, e todo conceito parece relativo, quando não politicamente incorreto. Somos, diariamente, atingidos por chavões simplistas e diagnósticos apressados.

         Somos um povo à deriva, vítima fácil de qualquer aventureiro que saiba explorar a miséria cidadã em que fomos metidos.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.                 

Planos de bem e não de mal | João Antonio Pagliosa
14 de março, 2018

Muitos não compreendem porque acontecem tantas coisas ruins em suas vidas, porque tantos planos fracassam. Parece que para alguns, viver é um rosário de lágrimas e tragédias, e eles se angustiam, e se deprimem, e se maldizem, e não se consolam quando ouvem aconselhamentos para não desistir, para continuar firmes, porque Deus nos ama incondicional e imensamente.  

Como assim Deus me ama, se estou sofrendo tanto? Minha vida está tão difícil... Acho que Deus se esqueceu de mim... Responde a maioria...

No livro de Jeremias, no capítulo 29, o profeta nos fala de uma carta endereçada aos judeus que foram levados como cativos para a Babilônia, pelo exército do rei Nabucodonosor.

Aquele povo foi tirado da cidade de Jerusalém onde vivia tranquilamente, porém este povo frequentemente se afastava de Deus, e esquecia a aliança que tinha com o Senhor.

Os versículos 10 a 14, dizem: "Logo que se cumprirem para a Babilônia setenta anos, atentarei para vós outros e cumprirei para convosco a minha boa palavra, tornando a trazer-vos para este lugar. Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo vosso coração."

Prezado leitor, o agir de Deus é invisível aos nossos olhos, e sempre damos muito foco nas coisas ruins que nos acontecem. Paralelamente, olvidamos ou damos pouca importância às coisas boas que nos sucedem, e por isso muitos se sentem exaustos e sobrecarregados.

Que bom! São as pessoas cansadas e sobrecarregadas que Deus quer trazer para si... Ele quer aliviar nossos fardos... Assim, nunca desista de suas lutas. Não volte para o final da fila para receber sua graça, pois são as dúvidas que martelam nossa mente e a incredulidade que nos remetem ao final da fila. Até o momento em que decidimos encarar um novo processo de acreditar com muita fé nos planos de Deus. A fé muda todos os cenários!

E coisas ruins acontecem à revelia de nossa vontade. Mas, isso é plano de Deus para nossas vidas... e se você visualizar isso por esse prisma, as coisas acontecerão e se resolverão de modo mais fácil.

Entenda que Deus não tem prazer em nos fazer sofrer, e Ele sempre está arquitetando algo melhor para nós, porém, nós não enxergamos o que Ele está preparando. 

O que sei é que precisamos permanecer na dependência do Senhor, uma vez que a força de nosso braço é insuficiente.

Ouvi uma historinha de uma família que tirava seu sustento de uma única vaquinha que eles cuidavam muito bem. O leite fornecido diariamente pela vaquinha, supria as coisas básicas que aquela família precisava para seu sustento. A vaquinha tinha nome esquisito e se chamava zona de conforto...

Mas, um dia, a vaquinha morreu. E, a família se desesperou... O que fazer, a partir de agora? A família demorou alguns dias para compreender o agir de Deus na vida deles, para entender que precisavam viver sem a zona de conforto...

Não podemos nos acomodar com o que temos... Com o emprego que nos rende tão pouco e não nos satisfaz... Com situações que nos incomodam... Com pessoas que não se importam com o que estamos vivendo... Precisamos sair de nossa zona de conforto porque permanecer nela será nossa ruína, e os planos de Deus são muito melhores do que esperamos.

Mesmo que você seja muito rico, para manter sua saúde física e financeira, você precisa continuar trabalhando porque a vida é como andar de bicicleta, isto é, nós apenas nos manteremos equilibrados se estivermos em movimento.

E quando saímos de nosso zona de conforto e decidimos trilhar novos caminhos e enfrentar novos desafios, precisamos ser criativos, acreditar em nosso potencial, trabalhar com afinco e sobretudo, confiar no Senhor! Consagre tudo o que você faz, a Deus! Ele é merecedor!

E só por meio de provas conheceremos as nossas debilidades e conheceremos as nossas forças. Também, só por meio de provas nós conheceremos a fidelidade do Senhor.

Portanto, se trabalharmos com entusiasmo e se estivermos aliançados com Deus, tudo que fizermos irá dar certo, e a vitória virá porque Deus não abandona aliados.

O próprio Senhor Jesus nos disse que passaremos por provas. Provas são necessárias porque moldam nosso caráter, porque aprimoram nossa intimidade com Deus, porque nos tornam fortes, e nos tornam pessoas melhores.

O povo judeu citado nos versículos de Jeremias sofreu muito. Sofreram porque distanciaram-se de Deus. Quem não busca a Deus, inevitavelmente sofre! Qualquer um de nós sofrerá quando se afastar de Deus, por isso entendo que devemos perder menos tempo com as redes sociais da Internet e dedicar mais tempo a Deus. Saia de sua zona de conforto e comece a fazer coisas que você não gosta de fazer... Elimine seu ócio!

Não desista da vida e não desista de seus sonhos por causa de uma tempestade que o atingiu. Deus sempre tem o controle de tudo, sobre todas as coisas do universo, e Ele sabe muito bem o que faz e porque faz.

Em Romanos 8:28, lemos; "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito."

Os hebreus Sadraque, Mesaque e Abede-Nego eram fiéis a Deus o tempo todo e só se prostravam perante o SENHOR. Eles não se intimidaram e desobedeceram a ordem de Nabucodonosor, de se prostrarem diante de ídolos babilônicos e por isso foram lançados na fornalha, por ordem do rei irado.

Mas, os três hebreus fiéis ao Senhor saíram totalmente ilesos da fornalha... No livro de Daniel, capítulo 13, versículos 12 a 30 você comprovará a fidelidade de Deus. Todos viram que havia quatro homens caminhando tranquilamente entre as enormes chamas do interior da fornalha... De novo, Deus não abandona aliados!

E após estes acontecimentos, o rei Nabucodonosor fez prosperar a Sadaque, Mesaque e Abede-Nego na província da Babilônia.

Em Gênesis 50:20, lemos: "Vós, na verdade, intentaste o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer,como vedes agora, que se conserve muita gente em vida."

A Bíblia está nos dizendo que Deus transforma o mal em bem, em nossas vidas!

Em Hebreus, capítulo 12, lemos que seremos salvos se imitarmos o exemplo de Jesus Cristo, o qual foi perseverante em meio as provações. As provações, querido leitor, revelam o amor de pai de Deus para conosco. Ora, se compreendermos isso, louvaremos a Deus, sempre. Não importam as circunstâncias.

Para compreender melhor a bondade e a fidelidade de Deus, leia 1 Coríntios 3 : 10 a 17, e também o livro de Êxodo, todo o capítulo 3.

Deus é fantástico... Deus é maravilhoso e opera milagres em nossas vidas... Então, permaneça sempre em paz! Descanse nos braços do Senhor!

 

Curitiba, 13 de março e 2018.

João Antonio Pagliosa 

www.palestrantejoaoapagliosa.blogspot.com.br

Corporações egoistas | Pedro Israel Novaes de Almeida
09 de março, 2018

As corporações do funcionalismo público são poderosas, e não raro dificultam ou até impedem a aprovação de reformas que ameacem qualquer regalia ou direito.

         O alarido das manifestações costuma impressionar de maneira exagerada parlamentares com direito a voto. Muitos acabam votando contra suas próprias convicções, pela comodidade de parecerem simpáticos a causas que acreditam majoritárias.

         Sindicatos e associações construíram e sedimentaram, ao longo do tempo, o crescente fosso que separa cidadãos comuns de cidadãos funcionários. Salários, direitos, estabilidades, aposentadorias e garantias de uns não valem para outros.

         Os direitos de uns são custeados pelo esforço e sacrifício de outros, que não os possuem.  De maneira geral, o funcionalismo público brasileiro é uma casta privilegiada, verdadeiros cidadãos de primeira classe.

         O funcionalismo também possui suas castas, e existem categorias pouco assistidas e defendidas, como os garis e operários. Quanto menor o salário e mais minguadas as regalias, mais difícil o acesso, só permitido após a aprovação em rigorosos concursos e acompanhamento de desempenhos.

         Já o acesso a cargos comissionados só depende, na prática, da vontade pessoal de administradores. Não raro, tais cargos são mercadorias de barganha política ou favorecimento pessoal.

         Aquela ilusão constitucional de que cargos comissionados possuem natureza técnica, de festejada capacitação, foi transformada em mais um, dentre tantos, amontoado de palavras, sem qualquer utilidade prática.

         Comparadas à realidade do trabalhador da iniciativa privada, as regalias do funcionalismo público são odiosas e injustas. Prefeituras ostentam cargos comissionados cuja utilidade e requisitos passam distantes do entendimento do cidadão comum.

         Vereadores são as vítimas preferenciais das corporações de funcionários, cuja estrutura de pressão lota plenários e torna inaudíveis as necessidades da própria população contribuinte. Em alguns casos, o município destina aos munícipes tão somente o que restou, após o atendimento das demandas de servidores.

         Sindicatos e organizações do funcionalismo sempre atraíram o interesse de partidos e políticos, que buscam, e quase sempre conseguem, aparelha-las, manejando-as para desgaste de administrações adversárias ou prestígio e cego acatamento de administrações amigas.

         Corporações buscam benefícios como se os poderes fossem feitos para servi-las.  A Constituição cita, como poderes, o Legislativo, o Judiciário e o Executivo, sem referir-se às corporações, que buscam transformá-los em meros figurantes e anuentes.

         As greves no serviço público seguem, até em serviços essenciais, com direito a piquetes e intimidações. As corporações, que limitam seus horizontes e anseios ao agigantamento de regalias, constituem um severo obstáculo ao eficaz e justo atendimento às necessidades do cidadão comum.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.    

Uma questão de lógica | J. Barreto
07 de março, 2018

Estou pagando seguro de um carro Ipanema há 15 anos e somente agora em janeiro acionei a seguradora para ir buscá-lo no sítio, pois deu pane no mesmo. Como meu trator não pode andar na pista perguntei ao guincheiro quanto ele cobraria para ir buscá-lo e trazer até a oficina, e ele me deu o preço de $150,00 reais. Nestes 15 anos, aplicando-se as correções, talvez eu tenha pagado mais de $ 10.000,00 durante este período.  Meu neto bateu o carro, mas não tem seguro, pois o mesmo ficaria pouco mais de $ 1.200,00, porém ele ainda está pagando as prestações da compra.

Partindo desta premissa comecei a imaginar quão mais lógico seria se houvessem grupos de mútuo socorro que rateariam as despesas, sem terem que pagar taxas e anuidade, mas somente quando houvesse sinistro com alguém do grupo.  Exemplificando: Se em um grupo de 50 membros houvesse um acidente, e o conserto do veiculo ficasse em $3.500,00, no rateio cada um arcaria com $70,00, o que equivale a menos de 8% do que pagaria por um seguro individual.  Você já imaginou quantas atividades poderiam formar grupos de mutuários, não apenas com 50 membros, mas quantos quisessem participar dos mesmos, e o que isto representaria de economia nas atividades de uma cidade? 

Pensem bem, quantos grupos poderiam ser formados pelos funcionários da prefeitura, do professorado de uma forma geral, incluindo as faculdades, os cursinhos e toda a gama pedagógica,  a sociedade de classe, e quem mais quisesse participar.  Vamos partir para mais um exemplo, creio que a AREA (Associação Regional de Engenheiros e Arquitetos), tenha bem mais de 100 associados e que os mesmos tenham um gasto anual de mais de 150.00,00 e que o conjunto de seus membros tenha gasto 30.000,00 em 2017, só aí foi para o ralo mais de 120 reais. 

Temos em Avaré muitos e bons advogados que poderiam criar regras que dessem segurança aos participantes dos grupos, e talvez um dos grupos seria a própria OAB.  Que achar que isto é uma utopia é porque não tem espírito de grupo e que deve ficar na sua e não atrapalhar quem tem uma visão otimista.

Quando se formar grupo, e em aceitarem como membro, gostaria de participar do mesmo.

 

J. Barreto

A túnica | João Antonio Pagliosa
02 de março, 2018

Nunca vista uma túnica que não lhe pertence. Quando faz isso, você cria dificuldades para muitos à sua volta, e criará dificuldades para você mesmo. Ela não serve para você. Ela não foi feita para você.

Cada um possui um propósito de vida, e Deus, nosso criador, nos dotou de dons diversos. Uns receberam mais, outros receberam menos, conforme Deus quis. Nada a contestar, muito a agradecer! Deus é Deus!

Porém, precisamos exercitar os dons recebidos, desempenhar nosso papel, sermos protagonistas da historia, realizar a missão, o ministério que a cada um compete, segundo os nossos talentos. Segundo os talentos que recebemos de Deus.

Quando vestimos túnica que não nos pertence, nós fracassamos. É comum ver isso em nosso trabalho, na escola, no clube, enfim em qualquer lugar. Percebemos pessoas exercendo funções para a qual não estão preparadas, não estão maduras.

Em João 19:23 e 24, os soldados romanos, por ocasião da crucificação, tomam as vestes de Jesus, e a dividem em quatro partes, porém a túnica, de comum acordo, é sorteada entre os quatro soldados. Isso porque a túnica era de fino acabamento e não possuía nenhuma costura, sendo toda tecida de alto a baixo. Se a rasgassem, iriam inutiliza-la. Daí,  sortearam-na.

E a sortearam para cumprir as escrituras, pois em Salmos 22:18, está escrito pelo rei Davi, muito séculos antes do nascimento de Jesus: “Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica, deitam sortes.”

E Deus distribuiu túnicas de unção aos seus filhos. Há aqueles que receberam unção dobrada. É o caso de Eliseu, discípulo de Elias. Elias operou sete milagres, enquanto Eliseu operou quatorze milagres, e o último deles aconteceu alguns anos após a morte de Eliseu. Como assim?

Ocorre que no calor de uma batalha, um soldado caiu morto exatamente sobre o local onde estavam os ossos de Eliseu, e o corpo do soldado ao tocar os ossos do profeta, imediatamente readquire vida e retorna a batalha, agora pleno da Unção de Deus.

Deus deseja dar a você, a mesma unção dobrada, e para obtê-la é necessário que obedeça. Obedeça como obedeceu Josué, como obedeceu José do Egito, e como obedeceu o rei Davi, três filhos de Deus que receberam a Túnica de Unção.

Josué era filho de Num, e após a morte de Moisés, foi escolhido por Deus para guiar o povo hebreu, a Canaã, a Terra Prometida. E Josué reinou sobre uma nação, e ele tinha também unção de autoridade, outorgado por Deus. Tudo deu certo para Josué, afinal, ele obedecia a Deus e tinha intimidade com Ele.

E José? Este era o filho querido de Jacó, com sua esposa Raquel, a mulher por quem trabalhara durante quatorze longos anos, a seu sogro. E a preferência de Jacó por José, despertava a ira de seus irmãos mais velhos, a ponto de desejarem matá-lo. E no dia que resolveram matar José, este vestia túnica presente de seu pai. E os irmãos mais velhos, após violenta discussão, resolvem jogá-lo num poço no deserto, e tiram-lhe a túnica antes de lançá-lo. O poço é mui fundo e é impossível sair dali. José desespera-se, e começa a gritar a plenos pulmões, e seus gritos chamam a atenção de um grupo de viajantes que passavam pelo local. E o retiram do poço; e o vendem como escravo, no Egito.

A túnica de José é manchada com sangue de cabrito pelos irmãos e entregue ao pai Jacó. Este, ao receber a túnica do filho amado, quebranta-se de dor, imaginando que José fora estraçalhado por animal selvagem. Em Gênesis 37:3 e 4, lemos: “ Ora, Israel (Jacó) amava mais a José que a todos os seus filhos, porque era filho de sua velhice, e fez-lhe uma túnica talar de mangas compridas. Vendo, pois, seus irmãos que o pai o amava mais que a todos os outros filhos, odiaram-no, e já não lhe podiam falar pacificamente.”

Às vezes, nós nos esforçamos muito para conseguir algo, e fracassamos. O que será que nos falta? O que nos falta, prezados, é intimidade com Deus, falta a presença de Deus. Aprenda a ser dependente de Deus em tudo que você realiza, e verá como tudo acontecerá à contento.

Aqueles que possuem intimidade com Deus, pedem a graça, e são ouvidos; Deus inclusive aproxima seu ouvido para ouvir mais nitidamente. E  Ele age, e se manifesta com todo seu poder, liberando a graça solicitada.

Apenas filhos especiais possuem intimidade com Deus, e são aqueles que se esvaziam para se encherem de Deus. É muito simples, e é absolutamente eficaz.

O pastor Aparecido, desejou ver Deus, e então Deus se manifestou a ele, dizendo: “ Observe o homem, ele é uma parte sólida e duas partes líquido. Observe o planeta Terra, ele é uma parte sólida e duas partes líquido. E Eu? Eu sou o grande Eu sou.”

Ao ler Isaías 40:12, você entenderá o tamanho de Deus.

Ao ler Apocalipse 3:20, você terá intimidade com Deus.

E numa determinada ocasião, o rei Davi, reclamou com Deus: “Oh, Senhor, eles repartem entre si a minha túnica.”

Mas Davi era um homem segundo o coração de Deus. Sofreu dissabores e angústias em função de suas faltas, e se arrependia, e se quebrantava, e clamava pelo perdão de Deus. E Deus o ouvia, o perdoava, e Davi sempre teve Unção de Deus, e conforme lemos em 1 Crônicas 29:28, “Morreu em ditosa velhice, cheio de dias, riquezas e glória; e Salomão, seu filho, reinou em seu lugar.”

Jesus quer voltar, os sinais mostram que esta volta está próxima, entretanto são pessoas do mundo que estão impedindo o seu retorno, pessoas infladas e cheias de orgulho, nunca preocupadas com aqueles que sofrem a sua volta.

José do Egito objetivava salvar a sua nação. Ele conseguiu!

O rei Davi objetivava unir as nações de Israel. Ele conseguiu!

Jesus objetivava unir as nações da terra. Em Gênesis 17, Deus fala a Abraão: “Farei uma aliança contigo e te multiplicarei extraordinariamente, será pai de numerosas nações, e em ti serão benditas todas as nações da Terra.”

Para Deus, cada família é uma nação, meu prezado leitor.

Você que me lê, é um descendente de Abraão, portanto tem a responsabilidade de abençoar as nações da Terra. Quantas nações você já abençoou, e salvou? Onde está a sua túnica, meu prezado? Quando você irá desempenhar o papel que Deus lhe reservou? Não olvide que temos responsabilidades para com Deus, e eu, João Antonio Pagliosa, sei e reconheço que a minha túnica é falar, e escrever sobre a palavra de Deus. Ele me deu dons e eu não posso me omitir, porque se me omitir, Ele levantará outro em meu lugar. E se isso ocorrer, eu estarei fora da glória de Deus.

Todo aquele que possui túnica, também possui cetro e coroa. E o próprio Deus declarou, “ Vós sereis reis e sacerdotes.”

Quem é sacerdote em sua casa? Você, homem, precisa assumir o seu papel e você mulher, aprenda a ser submissa a seu marido, porque quando o homem não assume seu papel, Deus levanta a sacerdotisa. Porém quando o homem acordar de sua letargia e assumir o papel de sacerdote, a esposa compreenderá e o apoiará.

Lar onde o marido exerce plenamente o papel de sacerdote, é lar cheio de unção de Deus, e esta família prosperará e viverá a felicidade do Senhor!

Deus é rei e tem túnica, cetro e coroa. Nós cristãos somos seus representantes, e precisamos ter túnica, cetro e coroa.Davi era odiado pelo rei Saul, que tentou matá-lo em várias ocasiões. E em pelo menos três situações, Davi poderia ter matado Saul, mas ele não fez isso, porque reconhecia que Saul era ungido do Senhor, e Davi confiava em Deus, e nós não podemos envergonhar Deus com ações falhas e inadequadas. Não podemos vestir túnica que não nos pertence!

E Davi venceu Golias, unicamente pela sua fé! Diante de Deus, você não é diferente de Davi, e, portanto, também poderá sobrepujar seus gigantes. Você derrubará, exterminará, aniquilará todos os seus gigantes, isto é, as suas dificuldades e seus problemas serão vencidos, unicamente pela sua FÉ, se perseverar em Jesus Cristo.

Então, meu prezado, assuma o compromisso de cuidar de seu Ministério perante Deus, e perante você mesmo.

Vista sua túnica de acordo com seus dons!

Para cada ministério, existe uma túnica. E há uma infinidade de dons, eles são incontáveis, porém Deus deu pelo menos um a você. Descubra seu dom e seja cuidadoso, zeloso com o ministério que Deus lhe reservou, e saiba que Ele irá prova-lo. Ele o testará! Lembra-se da parábola dos talentos? Pois é!

E Deus nos criou únicos. Somos todos iguais para a salvação, mas não somos iguais para a função. “Faça cada um, de acordo com seus dons.”

O rei Saul, regrediu porque desobedeceu a Deus, portanto tenha muito cuidado com a porta de juízo em sua vida. Não olvide que Deus é fogo consumidor!

E a história de Jó, nos mostra que o diabo pode tirar tudo na vida de cada um de nós. Mas o diabo não pode nos tirar o propósito que Deus nos reservou. A túnica ministerial de Jó, era Intercessão, e a Bíblia nos mostra que a partir do instante que Jó orou pelo próximo, ele prosperou. E a unção, ora, ela veio dobrada! Jó recuperou tudo que perdera... E recuperou em dobro.

Ninguém ganha de Deus em abençoar! Tanto Josué, quanto José, quanto Davi, quanto o próprio Jesus, são exemplos magníficos que ilustram isso.

Você pode ter sido retirado de seu território, a exemplo de José, mas Deus irá lhe abençoar, onde quer que você esteja. Daniel foi jogado na cova de leões famintos, mas Deus amava Daniel, e simplesmente ordenou que os leões jejuassem naquele dia. E Daniel saiu ileso!

Deus comerá os seus inimigos como pão, como saboroso brioche, porque Ele está preocupado com você e que você seja vitorioso; mas enquanto você murmurar, você não será abençoado. Enquanto você transgredir, você continuará sofrendo.

Ora, pare de sofrer! Confie plenamente em Deus, com fé inabalável, e esvazie-se de si mesmo, e então será luz do mundo, será sal da terra. Iluminará e dará sabor aos que o cercam.

Nota de esclarecimento: O presente artigo foi escrito baseado na ministração do Pastor Aparecido Rodrigues, na Igreja Meva, em Curitiba.

(João Antonio Pagliosa, engenheiro agrônomo – www.palestrantejoaopagliosa.blogspot.com.br)

Curitiba, 27 de fevereiro de 2018.

Privatização | Pedro Israel Novaes de Almeida
01 de março, 2018

Existem temas explosivos, que envolvem predisposições favoráveis e contrárias, antes mesmo de qualquer discussão mais aprofundada.

         A privatização figura como o mais explosivo dos temas. As opiniões, não raro, seguem carregadas por alto teor ideológico.

         Os aspectos favoráveis à privatização decorrem do reconhecimento da ineficiência dos governos na gestão de empresas, serviços e estruturas. Tal ineficiência decorre da primária, cavernosa e desavergonhada interferência política nas estruturas de gestão.

         Empresas e setores de atuação pública padecem, a maioria, de crescente número de funcionários, com estruturas de mando repletas de chefias comissionadas, de indicação política. A profissionalização é, não raro, desestimulada.

         Soa lógico que empresas públicas possuem custos maiores que suas congêneres privadas.  Muitas vezes, o ocupante de um cargo menor acaba mandando mais que o ocupante de outro cargo, maior, simplesmente pela maior importância política da fonte que patrocinou sua nomeação.

         As empresas públicas são ferozmente disputadas pelas correntes partidárias, em virtude não só da implantação de núcleos e esquemas de corrupção, mas do aproveitamento eleitoral de operações e funcionários, constitucionalmente previstos como impessoais.  Não raro, os feitos de tais empresas figuram, popularmente, como favores de comissionados.

         Salvo a ação meritória de um ou outro administrador, as empresas públicas possuem crônica aversão a inovações e melhorias. Na área da comunicação, a privatização operou milagres e difundiu benefícios.

         Por outro lado, a privatização de rodovias, no estado de São Paulo, gerou custos abusivos aos usuários, e a privatização de ferrovias, em todo o Brasil, gerou o esvaziamento do transporte de passageiros e o criminoso sucateamento de instalações, algumas delas preciosidades históricas e culturais.

         O argumento de que a privatização passa ao domínio privado bens que pertencem a todos os brasileiros, sem os consequentes benefícios das concessões, é historicamente enganoso. Em sua longa história, a Petrobrás figurava como patrimônio público, mas seguiu, por décadas, conduzida como propriedade de uns poucos, em autêntica privatização informal, sem custos.

         Os benefícios da privatização só são atingidos em ambiente de honestidade oficial, legislativa, executiva e judicial. Privatizações em ambientes políticos insalubres geram preços irreais, acompanhamento maculado e agências reguladoras pouco confiáveis.

         Os governos arbitram os impostos e regras a serem seguidas pelas empresas privadas, como se continuassem gerindo as estruturas privatizadas, gerando custos necessariamente menores de operação, que menos onerem os usuários.

         As privatizações são conceitualmente benéficas, desde que realizadas e acompanhadas por governos honestos e eficientes. Em outro contexto, são meras e irresponsáveis dilapidações do patrimônio público.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

Tolerância zero | Pedro Israel Novaes de Almeida
22 de fevereiro, 2018

O aumento da criminalidade e da violência tem atormentado toda a população, gerando altos custos, financeiros e sociais.

         As estruturas oficiais de repressão e investigação encontram-se carcomidas e sucateadas, estimulando e tornando impune a prática de crimes e contravenções. Todos os poderes da república podem e devem agir com maior eficiência e mútua colaboração.

         Uma simples consulta à demanda de acionamentos da Polícia Militar, via 190, para o atendimento de perturbações do sossego, demonstra o quão gigantesco, solitário e pouco eficiente tem sido o esforço da corporação, para garantir os direitos dos cidadãos lesados, e desestimular os contumazes bandidos e malcriados, que insistem em sons e algazarras pouco civilizadas, em horários e locais impróprios.

         Não raro, os policiais ordenam o abaixamento do som, e o bandido, travestido de festeiro, retoma a prática da contravenção, logo após a saída da viatura. Não raro, a cena é repetida diversas vezes, no mesmo dia.

         A resposta do criminoso deseducado caracteriza desacato e desobediência, e são poucas as notícias de que tenha sido conduzido ao plantão policial, ainda que só para assumir o compromisso de comparecer, oportunamente, ao Juizado Especial. São poucos, pouquíssimos, os Executivos municipais que disponibilizam espaços para guarda e armazenagem dos equipamentos de som, porventura apreendidos e conduzidos pela Polícia Militar.

         Resta, ao cidadão, a elaboração de Boletim de Ocorrência, na Polícia Civil, e aguardar, de preferência sentado, as respostas e medidas oficiais, de repressão à prática de contravenção criminal. Em algumas situações, o relatório elaborado pela PM não atesta que, de fato, a contravenção ocorreu, e alguns, absurdamente consignam tão somente que “as partes foram orientadas”.

         O tema não tem atraído atenções e providências de vereadores, Brasil afora.  Botecos que semanalmente são objetos de ocorrências policiais não encontram muitas dificuldades quando da renovação de alvarás de funcionamento. 

         Igrejas, enganosamente protegidas pela liberdade de culto, empestam bairros inteiros, em espetáculos, tão medievais quanto ridículos, de desrespeito ao sossego alheio. No país onde são cultuados e venerados os direitos da infância e terceira idade, pouco ou nada se faz para garantir, pelo menos a idosos e crianças, o tão merecido repouso e privacidade.

         Ao cidadão, atormentado pela prática de contravenção, resta acionar a PM, elaborar o Boletim de Ocorrência, arrolar testemunhas, filmar e gravar a ocorrência e, socorrer-se na Justiça, onde a maioria das ações resulta em notificações judiciais de não fazer e a consequente a justa indenização, além da condenação penal.

         A Polícia Militar deve ser auxiliada por todos os outros órgãos das administrações e poderes, em sua função de reprimir e desestimular a ocorrência de perturbações de sossego. Deve restar, à PM, disponibilidade para atender e reprimir outras ocorrências de violência e criminalidade, que crescem de maneira assustadora.

         Só a “tolerância zero” livrará a Polícia Militar de gastar tantos esforços, para ficar correndo atrás de barulhentos vagabundos, malcriados e desrespeitosos. As contravenções só diminuirão quando gerarem consequências.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.    

        

 

 

Politicamente correto | Pedro Israel Novaes de Almeida
19 de fevereiro, 2018

A vida em sociedade é dinâmica, e é natural que sofra modificações, ao longo do tempo.

         Viver em sociedade, de maneira civilizada, exige respeito humano, que leva o indivíduo a se abster, em público, de comportamentos que choquem ou contrariem valores e tradições de terceiros. Tais valores e tradições não dizem respeito a entendimentos estritamente pessoais, que beiram a insanidade, mas ao conjunto de valores, socialmente sedimentados.

         Muitas vezes, os comportamentos antissociais acabam por sofrer vedações legisladas, obrigando civilidades. Urinar e defecar são atitudes naturais e sempre compreendidas, desde que não realizadas ao ar livre e sob o olhar indignado de terceiros.

         A humanidade sempre contou com indivíduos rebelados, que vivem demonstrando seu inconformismo com os valores e tradições do meio onde vivem. Tais indivíduos reafirmam seus entendimentos praticando as ações a que julgam ter direito, ainda que causando indisposições e contrariedades.

         Tais indivíduos sempre foram desestimulados pela condenação social, através de ações conjuntas, sempre informais, de isolamento e falta de oportunidades de progresso profissional. Alguns, mais extremados, acabam, via encarceramento, afastados do convívio coletivo.

         A sociedade só sobrevive enquanto depositária, praticante e defensora de seus valores e tradições. Tentar despi-la de qualquer conteúdo moral é transformá-la em mais um rebanho irracional, ainda que amestrado.

         Vivemos tempos tumultuados, de sucessivas afrontas e intimidações, corroendo hábitos e entendimentos havidos como respeitosos. Na verdade, sob o manto enganoso do “politicamente correto”, busca-se o esvaziamento de todo o conteúdo imaterial que armazenamos.

         Existe uma mal disfarçada tentativa de ruptura social, agasalhada sob a égide da vanguarda e inovação. Em verdade, ocorre um espetáculo odioso de cinismo e irresponsabilidade.

         Pregam banheiros coletivos, que sirvam indistintamente a todos os gêneros, pretensamente respeitando o interesse de indivíduos que, sendo homens, sentem-se mulheres, e vice-versa. E como fica o direito das mulheres, em usar banheiros preservando a intimidade e privacidade ?

         Pregam a liberdade de culto e crença, e usam-na para ridicularizar e contestar cultos e crenças alheias. Inventam condenações a procedimentos alheios, tentando criminalizar, por exemplo, fantasias de índios e marchinhas como “Maria Sapatão”, “Cabeleira do Zezé”, “Seu cabelo não nega” e outras.

         Sob a denominação genérica de arte, montam obras e espetáculos com cenas de sexo explícito, até envolvendo animais e figuras sagradas, sem qualquer preocupação com avisos prévios de conteúdo e indicação etária. É direito de cada um a assistência, mas é direito de todos tomar conhecimento prévio do que irão assistir.

         É dever da sociedade reagir e tentar sobreviver, enquanto organismo vivo e harmônico. Valores e tradições sustentam a nacionalidade, e sem eles somos um corpo vazio, mero e mal conduzido rebanho. É a barbárie.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.    

        

                  

 

Verdades de um velho juiz | J. Barreto
19 de fevereiro, 2018

Em 1948 morávamos em Paraibuna, uma modesta cidade do estado de São Paulo, com menos de 10.000 habitantes, onde faltava quase tudo.  Não havia nela nada que se pudesse chamar de restaurante, e se alguém precisasse fazer uma refeição, tinha que se contentar com a comida de algum boteco. Nesta cidade, certa vez meu pai, José Barreto, que era grande conhecedor das causas rurais, foi convocado para fazer a avaliação de uma fazenda que estava penhorada. 

Terminado o trabalho, meu pai convidou o Dr. Edmundo Askar, que era juiz, para almoçar em casa, no próximo domingo.  Após o almoço, o Dr. Askar perguntou a minha mãe se ela não poderia fornecer refeições para ele e também para o promotor e o delegado.  Depois de consultar meu pai, ela aceitou o pedido, e além dos já citados, um advogado passou a fazer parte desta turma.  Eu, sendo o filho mais velho (14 anos), passei a exercer a função de garçom, portanto permanecia junto a eles durante e até após as refeições.  Em uma dessas reuniões, das quais meu pai fazia parte, o Dr. Askar disse que os juízes se dividiam em duas classes, a primeira era constituída de juízes vocacionados que faziam da profissão um sacerdócio, mas que a grande maioria era constituída de advogados fracassados em suas bancas, e que buscavam na magistratura uma remuneração garantida

Pelo andar da carruagem, percebo que após 70 anos a roupagem mudou um pouco, mas o corpo continua o mesmo. Se não vejamos, além do teto remunerativo, a classe foi incorporando penduricalhos que algumas vezes dobra ou até mesmo ultrapassa este montante, além dos recessos escandalosos que paralisam o andamento da justiça, e conseqüentemente trava o Brasil.

Isto não acontece somente nas cortes inferiores, mas principalmente nas instâncias superiores, e somente elas poderiam moralizar a classe, mas elas encarnam os símbolos da justiça para nada ver, mas têm os ouvidos bem abertos para ouvir o canto das sereias e se deixarem seduzir por elas.  Não nego que alguns magistrados até querem moralizar a magistratura, mas o corporativismo por ser muito poderoso, não deixa que seus anseios avancem.  Jamais poderemos esquecer que ainda existem togados como Joaquim Barbosa, Sergio Moro, Deltan Dallagnol, Cármen Lucia, Raquel Dodge, e a dedicação da Polícia Federal, e tantos outros que nos fazem acreditar e termos a esperança de um Brasil que seja realmente dos brasileiros e não de meia dúzia de espertalhões.  O povo brasileiro tem uma paciência de fazer inveja a Jó, mas aqueles que se julgam donos do Brasil e tudo podem, lembrem que de onde saiu Jó também saiu Golias.

J.Barreto

Benefícios na arborização de áreas urbanas | João Antonio Pagliosa
19 de fevereiro, 2018

As árvores são muito úteis à vida do homem, e por realizar fotossíntese, reduzem o teor de CO2 da atmosfera e aumentam o teor de O2, assim plantas garantem um ar mais puro à saúde humana e também, a todos os animais.

As árvores, via evapo-transpiração, diminuem a temperatura do ar ambiente e aumentam a umidade do ar, causando sensação de conforto e bem estar.

As árvores reduzem a poluição sonora, além de absorver e reter água das chuvas, auxiliando no controle da erosão do solo, enxurradas e enchentes.

As árvores preservam a diversidade no meio urbano e são abrigo e fonte de alimentos para muitos animais.

As árvores produzem flores e frutas deliciosas.

As árvores, via sombreamento, auxiliam na conservação do solo, do asfalto e dos calçamentos.

As árvores embelezam as ruas e avenidas e sua coloração verde acalma e alegra a vida das pessoas.

As árvores reduzem os custos com saúde pública pois a arborização urbana diminui as doenças pulmonares e cardíacas.

As árvores são grandes amigas, portanto, preserve-as, multiplique-as, e incentive o plantio e seu cuidado. A natureza agradece!

E todos viveremos melhor!

 

Curitiba, 15 de fevereiro de 2018

João Antonio Pagliosa

Engenheiro Agrônomo

Estranha folia | Pedro Israel Novaes de Almeida
08 de fevereiro, 2018

O brasileiro possui sentimentos agendados.

         No natal, solidário, na páscoa, esperançoso, no dia dos pais, todo família e, no carnaval, só alegria.

         Em nosso calendário, ainda cabem milhares de comemorações, como o dia do Orgulho LGBT, da Consciência Negra, do Trabalhador, da Mentira, e assim vamos, com a agenda sempre lotada. Quem mais sofre são os colunistas, quase forçados a comentar a comemoração da semana.

         É difícil escrever a respeito do carnaval, sem ser folião, e sem ao menos tomar uma ou outra dose de animador alcoólico. Sem o mínimo espírito carnavalesco, resta achar alguma graça na folia das crianças, muitas ainda jogando água em transeuntes.

         É triste ver o marido jazer sonolento e inerte, enquanto a esposa cai na folia, confinada aos arredores da mesa. É arrepiante ver meninas e moças caírem na folia descalças, em plena multidão, e terminarem a noite com os dedos dos pés intactos.

         Escolas de samba desfilam maravilhosas, exaltando temas da ocasião, prestando imperceptível agradecimento aos contraventores que auxiliam a festa. Alegorias revelam artistas, e sambas-enredo grandes compositores.

         Fantasias animam o comércio, com destaques para imagens de corruptos famosos e governantes exóticos. Abadás permitem integrar blocos.

         Cervejas e destilados disputam espaços publicitários, e regam o país, de sul a norte. Reaparecem, com pouco brilho, no noticiário de acidentes de trânsito, alguns fatais.

         Homens assumem vestes e feições femininas, alguns recatados, outros verdadeiras sirigaitas.  Mulheres economizam tecidos, só mantendo ocultas porções sabidamente de pouco brilho.    

         Maternidades lotam mais que cartórios, em novembro. A festa tem reflexos e preparos durante todo o ano.

         Para a maioria, o brilho dos agendamentos recai no fato de serem, muitos, feriados, modalidade em que somos campeões mundiais. Os dias úteis acabam sendo exceções, nos quase raros intervalos entre feriados.

         Milhões de brasileiros aproveitam a festa para pescarias, churrascos, praias, retiros, consertos domésticos ou o inigualável ócio, esquecendo boletos. Sambas e marchinhas ambientam até os que não cultuam Momo.

         A crise aproveita o período de festas para demonstrar sua grandeza, com furtos, assaltos, tráfico e outras manifestações de carência civilizatória, onde rareiam empregos, saúde, segurança e educação. A folia induz a sensação de que, por alguns dias, nossas mazelas ficam suspensas.

         Idosos, sempre precavidos, evitam o burburinho, temendo, literalmente, cair na folia. Relembram, saudosos, os carnavais de outrora.

         Não convém, os que foliões não somos, escrever sobre o carnaval.

                                                               pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.   

Povo porco | Pedro Israel Novaes de Almeida
01 de fevereiro, 2018

O aumento da produção de lixo é o ponto comum a todos os povos.

         Embalagens facilitam a venda e valorizam os produtos, gerando toneladas de materiais descartáveis. A partir dos anos 80, o volume dos invólucros passou a ser semelhante ao dos alimentos e materiais ingeridos.

         Sacolas plásticas, disponíveis em supermercados, já figuraram como heróis e bandidos da comodidade humana, com períodos inconstantes de proibição. Hoje, aparecem dispersos por todas as áreas, enroscados em cercas, adornando rabos de vira-latas ou emporcalhando praças e praias.

         A humanidade ainda acredita que o problema do lixo acaba quando de sua colocação fora do domicílio. A poluição ainda é popularmente menosprezada, quando ocorre fora dos limites territoriais das residências.

         Aos poucos, e a duras penas, constatamos que pilhas, cascas de banana, restos hospitalares, plásticos e isopor não mais podiam conviver em harmonia, após descartados. Aos poucos, os amontoados de lixo começaram a contaminar o solo, ar e recursos hídricos, servindo ainda de fonte inesgotável de insetos, bactérias e fungos que atentam contra a saúde, inclusive humana.

         Nos rios e oceanos, espécies são ameaçadas pela ingestão de plásticos.

         A primeira providência humana foi a tentativa de separar restos orgânicos de inorgânicos, diminuindo o volume dos lixões e permitindo a reciclagem de diversos materiais, com significativa economia de água e energia, para o fabrico de novos produtos. Ainda engatinhamos nessa primeira etapa.

         A maioria dos municípios sequer conta com aterros sanitários, e não promove muitos esforços para a reciclagem. Sequer a separação de orgânicos e inorgânicos é praticada, pela maioria da população.

         Lixeiros, social e financeiramente desvalorizados, ainda recolhem o lixo descartado em dezenas de sacolinhas, em uma única residência. Não raro, sofrem acidentes com cacos de vidro e metais ponteagudos, misturados nas embalagens.

         Os lixões geraram ocupações que sustentam milhares de famílias, garimpando, de maneira insalubre, materiais recicláveis. Catadores de reciclados, muitos membros de cooperativas e associações, guerreiam pela coleta dos materiais, ainda uma pequena parcela do lixo, disponibilizada por uma ou outra família.

         Catadores ainda recebem poucas atenções dos poderes públicos, embora em algumas cidades já recebam algum dinheiro, quando apresentam notas fiscais de vendas dos produtos coletados. Geralmente, são auxiliados por caminhões de transporte e espaço para trabalhar.

         São raras as lixeiras dispersas pelas cidades, e muitos os atos de vandalismo, quando disponíveis. Pequenos lixões surgem diariamente, com restos de construção, sofás, animais mortos e toda a espécie de descartados.

         Cresce dia-a-dia a indústria de reciclados, e são grandes os investimentos em pesquisa, no setor. A indústria de materiais mais poluentes, como eletrônicos e defensivos, começa a ser obrigada a recolher os resíduos que gera.    

           Na questão do lixo, ainda vivemos a idade da pedra lascada.

                                                                      pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.

Depressão e autocomiseração | João Antonio Pagliosa
30 de janeiro, 2018

No livro de Provérbios 17:17. lemos: 'O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade.'

Só aquele que passou por terríveis sofrimentos, pode compreender a dor de outras pessoas.

No livro de Provérbios 17:17. lemos: "O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade."

O que escrevo aqui, destina-se àqueles que sofrem por perdas preciosas, também para aqueles que não compreendem as vicissitudes da vida, ainda para aqueles que se deprimem frente as adversidades e lamentavelmente nutrem perversa autocomiseração.

Em primeiro lugar é preciso entender que o Espírito Santo habita em você. Se consentir nesta verdade a sua vida mudará de forma radical e você se transformará no homem mais poderoso desta terra. Creia nisso!

Tenho reiteradamente escrito que o Espírito Santo precisa ser seu melhor amigo, seu conselheiro de todas as horas e seu fiel escudeiro.

Ao abrir seus olhos a cada manhã, cumprimente-o com grande alegria e júbilo.

"Bom dia, querido Espírito Santo. Que bom que você está aqui comigo!"

Gente querida, nós precisamos ter intimidade com DEUS e o Espírito Santo é o nosso intercessor. Recorra a Ele e nunca deposite sua fé no dinheiro ou nas crendices populares. Eu menciono isso porque vejo o sofrimento de milhares de pessoas que agonizam subjugadas pelas dificuldades, por temores e angústias. Não cultive deuses errados!

A alegria e a felicidade que você anseia, pode ser simplesmente vislumbrar a riqueza que é ser útil ao seu próximo. Exercite o seu amor ao próximo com ações concretas... Basta olhar para o lado e encontrará pessoas que precisam sua ajuda, e as vezes apenas um sorriso é providencial.

Creio que todos concordamos que é muito mais prazeroso dar do que receber, e isso me recorda Marcos 11:20, onde Jesus secara a figueira até a raiz porque ela não dera fruto.

Entenda que somos inúteis se não dermos frutos, e como a figueira seremos descartados dos planos de DEUS. Precisamos ser frutíferos em todas as ocasiões, mesmo quando nossas palavras ou ações não encontram eco. Semeie o bem... Semeie sempre, mesmo em terrenos áridos.

Eu me constranjo com o sofrimento dos outros e procuro demonstrar, alicerçado em minha fé, que somos todos dependentes de DEUS e somente Ele pode nos livrar das desgraças deste mundo. Não há outra opção que mereça a sua consideração.

Ao ler Marcos 11 versículos 21 a 26, você verá que tirar o monte (doenças, dores, angústias, sofrimento,secas, miséria) de sua vida, a depressão e a autocomiseração o abandonarão definitivamente. Glória a DEUS por isso.

Mas o perdão é questão inegociável. Se não liberar perdão o Pai não o perdoará. Libere pois perdão a todos!

E entenda que DEUS é onisciente e onipotente ao ler Salmos 139:13 a 16.

Aliás, este último versículo mostra que todos os nossos dias já estão contados mas somos nós que escrevemos nossa historia. DEUS só a coloca no papel. Que maravilha entender isto! É o livre árbitrio em nós...

Transforme suas derrotas em vitórias. Transforme sua vida nos dias que ainda lhe restam, pois isso só depende de você.

Talvez haja muitos ao seu redor auxiliando e intercedendo, mas libertar-se depende de você.

Leia Salmos 131, espere no Senhor e situe-se bem acima da dor, do medo e da aflição. DEUS nos quer livres de todas as amarras. Ele nos que libertos!

Liberte-se de sua depressão, pare de morrer de pena de você mesmo e acorde para a vida, este dom extraordinário que ainda está em você. SEJA FELIZ!

E se está muito difícil, por favor, permita que as pessoas o ajudem. Vença a sua raiva, o seu orgulho e o seu egoísmo. Não se feche em si mesmo!

Seja sábio e entenda que nós nunca nos recuperamos de algumas coisas que acontecem conosco. Saiba que a vida é assim mesmo. Porém, ao ler Jeremias 30:17 há conforto: "Farei cicatrizar o seu ferimento e curarei as suas feridas", declara o Senhor, porque a você fulano de tal, chamam de rejeitado, aquele porque ninguém se importa".

Ora, DEUS se importa. Ele é fiel em todas as suas promessas.

 

João Antonio Pagliosa (de Curitiba/PR) , Escritor , palestrante e Engenheiro Agrônomo.

Contato: joaoantoniopagliosa@gmail.com

www.palestrantejoaopagliosa.blogspot.com.br

Curitiba, 29 de janeiro de 2018

 

 

Novos e velhos | Pedro Israel Novaes de Almeida
25 de janeiro, 2018

O diálogo entre gerações sempre foi conturbado.

         As diferenças, gritantes, principiam pela inovação tecnológica. Enquanto poucos conseguem entender e manejar algo além do radinho de pilhas e TV com tubo, as novas gerações, ainda na infância, transitam com desenvoltura por entre computadores e outros aparelhos eletrônicos.

         Mecânicos, vindo de um tempo em que um araminho, bem manejado, restituía a funcionalidade do veículo, estranham a breve vida dos componentes, agora simplesmente substituídos. Até a força do aperto de peças, outrora intuitivo, passou a ser monitorada por equipamentos modernos.

         Topógrafos e engenheiros, que outrora arrastavam cordas e suavam o cérebro para elucidar metragens e ângulos, agora contam com medidores eletrônicos, quase infalíveis. Lixeiros, antigamente vertedores do conteúdo de fétidas latas, hoje recolhem sacos plásticos, na maioria dos domicílios.

         Médicos generalistas diagnosticavam sem o apoio de sofisticados exames, e salvavam vidas. Agora, os exames são relatados com sugestão de diagnóstico, permitindo a completa visão e entendimento das mínimas ocorrências no corpo humano.

         As diferenças tecnológicas podem causar algum estranhamento, mas não opõem gerações. As desavenças, cada vez maiores, decorrem do constante atrito entre costumes, valores e tradições.

         As novas gerações aceitam com naturalidade as posturas LGBTs, mas não possuem o direito de exigir, de pais e avós, semelhante complacência. Podem, no máximo, exigirem respeito humano e não agressão.

         É normal que uma avó fique contrariada, ao ver a neta, de 12 anos, colocar um piercing na língua e outro no olho, ou o neto, de igual idade, tatuar no peito a imagem de algum criminoso histórico. O respeito deve ser recíproco, mas a avó tem o direito de ser eternamente indignada.

         As antigas gerações aprenderam a julgar naturais o tabagismo e a ingestão rotineira de álcool, mas, com algum cinismo e acerto científico, condenam o uso de drogas. Reside nas drogas o ponto de maior discordância entre as gerações.

         Gerações anteriores, em que pesem episódios naturais de selvageria humana, era mais respeitosa, especialmente no trato com servidores da educação. Em regra, bastava ter idade superior para merecer um acréscimo de respeito.

         No campo das artes, alegam os antigos que as músicas de outrora possuíam belas letras, e ritmos que embalavam. Para a maioria dos antigos, as obras atuais, muitas, não vão além de estridências e cultos à libertinagem.

         As novas gerações cultivam o maior respeito à natureza e às diferenças entre humanos, levando as antigas gerações a novas e saudáveis posturas. Contudo, falta-lhes o maior respeito a crenças, posturas e valores dos mais idosos.

         As gerações podem conviver em paz, se pautadas por um mínimo de civilidade e respeito humano.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br 

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.     

          

         

Não engane a si mesmo! Nunca! | João Antonio Pagliosa
25 de janeiro, 2018

Em Deuteronômio 11:26, Deus põe diante de nós a benção e a maldição. Há livre arbítrio em nós.

Em 1 Coríntios 3:18, somos admoestados a não nos enganarmos, e que é vã a sabedoria humana se o Senhor não for o nosso senhorio primordial. A sabedoria humana é loucura diante de DEUS, e precisamos tomar cuidado ao afirmar determinadas coisas à nossa alma porque quando descobrimos que estamos nos enganando, somos destroçados emocionalmente e a Bíblia nos alerta: Guarde seu coração para que não se engane a si mesmo. É fácil considerar-se senhor de situações (e inflar seu ego), é fácil cair em erros que atrapalham a nossa vida.

Vejo muitas pessoas a minha volta que manifestam estar em comunhão com DEUS, porém estas pessoas não abandonam seus pecados. Ora, é certo que se enganam porque não existe comunhão entre luz e trevas. Não existe penumbra no reino de DEUS e também não existe o morno.

Em 1 João 1:6 a 8, isto está detalhadamente explicado e comunhão com DEUS implica necessariamente em segui-lo e obedecê-lo.

Jesus virá sem avisos, (como ladrão à noite)e nos surpreenderá razão porque precisamos estar atentos e vigilantes. Não sabemos nem o dia e nem a hora. Leve, pois, uma vida ilibada e correta diante dos olhos de DEUS.

Em 1 João 1:9 e 10 somos alertados que pecamos e devemos reconhecer e confessar com profundo arrependimento o nosso pecado para termos perdão do Senhor. Isto me impulsiona à reflexão de meus comportamentos, de minhas atitudes, pois precisamos refletir sobre nossas ações e questionar: “É correto diante os olhos do Senhor? Jesus agiria como agi se estivesse em meu lugar?” Pense, reflita, e não se engane!

Ainda em 1 João 2:4 e 5, lemos que aquele que declara amar a DEUS mas não guarda a sua palavra é mentiroso e engana a si próprio.

Um pouco a frente, em 1 João 2: 9 a 11 lemos: “Aquele que diz estar na luz e odeia seu irmão, até agora, está nas trevas. Aquele que ama a seu irmão permanece na luz e nele não há nenhum tropeço. Aquele, porém, que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai porque as trevas cegaram seus olhos.”

Ora, sei que não é fácil amar algumas pessoas, mas, sei que é preciso!  Observe que o problema que temos em relação a uma pessoa, na verdade revela o nosso problema. Impaciência (você fala alho e seu interlocutor entende bugalhos), intolerância (às vezes você não suporta determinadas condutas de alguém, e daí é preciso muito amor para tolerar), incompreensão (as pessoas são únicas e devemos compreendê-las, pois possuem qualidades e defeitos diferentes dos meus).

Em situações difíceis devemos nos colocar no papel do outro. Entendo que há muitas pessoas soberbas à nossa volta, mas Jesus quer que nós as amemos. Ame sempre o pecador e abomine sempre o pecado.

Tenho amor por aqueles que sofrem de “incontinência fecal reversa”, mas admoesto que amor entre pessoas de mesmo sexo é ignomínia aos olhos de DEUS. E no que depender de nós, tenhamos paz com todos. Nunca alimente mágoas e nem ressentimentos. Isto é muito danoso à você.

Oh, Senhor! Guarde o meu coração para que não se engane. Para que eu saiba discernir se estou em luz ou em trevas.

E, prezado leitor, quando DEUS está no controle, tudo aquilo que vem contra nós, perde a direção e não nos atinge e não nos causa dano algum. Estamos sempre protegidos. E ai daqueles que oprimem e sufocam pessoas de DEUS.

Com carinho

João Antonio Pagliosa

Curitiba, 23 de janeiro de 2018.

Pouco aprendemos | Pedro Israel Novaes de Almeida
18 de janeiro, 2018

Mais aos trancos que barrancos, a humanidade segue sua sina de percorrer os rumos traçados pela história.

         Na verdade, a história não só escreve o passado, como delimita o futuro. A história não determina o futuro, mas ensina atributos humanos que atravessam milênios, ensejando a antevisão de comportamentos e consequências.

         Povos que já passaram por graves crises, e sobreviveram, atingiram graus de civilidade superiores aos que, como nós, insistimos em repetir erros do passado. Japoneses figuram como exemplos de soerguimento e progresso, como resultado natural de tantos desastres, naturais ou humanos.

         Os brasileiros sofremos, há séculos, os desvarios de administrações calamitosas, em todos os níveis. O berço sempre foi esplêndido, mas o sono conturbado.

         Temos o comportamento de hienas, sempre sorrindo, em plena lama. Sempre consideramos que ainda falta um pouco para chegarmos ao fundo do poço.

         Já passamos por ditaduras e gestões profícuas, mas pouco aprendemos. Ainda esperamos por um herói honesto, que virá montado em cavalo branco, fulminando corrupções e descaminhos.

         Já penamos administrações anunciadas como redentoras dos pobres e oprimidos, e mandatários justiceiros, pelo simples fato de darem enganoso combate a marajás. Redentores de pobres aumentaram a pobreza e faliram o Estado, e caçadores de marajás nada conseguiram, a não ser gestões desastradas e corruptas.

         Em meio a tantos desconcertos, a administração menos calamitosa surgiu justamente com um mineiro, presidente quase por acaso, que assumiu posturas efetivamente republicanas. As más línguas tentam empanar o currículo de Itamar Franco, apontando o estranho topete e a atração por mulheres vistosas.

         Os novos tempos, com fartas informações e publicidade, têm a contraindicação de direcionar as mídias, fazendo bandidos parecer heróis, e ladrões simples perseguidos. Por aqui, quando São Pedro faz chover na melhor época, os louros vão para o ministro.

         Pequenos favores costumam calar dissidências, e grande pecados podem parecer esforço em prol dos desvalidos. Delegando mandatos, acabamos por criar reinados.

         Somos, na verdade, eleitores compulsórios, movidos a máquinas publicitárias e midiáticas tão enganosas quanto ladinas. Ainda vamos repetir os erros do passado, que pouco ou nada ensinaram.

         Na ânsia por buscarmos as pessoas certas, acabamos por não amadurecer instituições, que hoje sucumbem, uma a uma, desacreditadas. Não estamos distantes do caos institucional, com reflexos no dia a dia de cada cidadão.

         A esperança é que sobrevivamos até o próximo pleito, e dele surja algum herói que não voe nem faça milagres, mas seja simplesmente honesto. Mais uma vez, a história ronda o ambiente, ensinando que nada aprendemos.

                                                                  pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.     

Festa ou gastança | Pedro Israel Novaes de Almeida
10 de janeiro, 2018

Houve um tempo em que a realização de feiras e exposições agropecuárias envolviam, até de maneira irresponsável, prefeituras de todo o Brasil.

         Artistas famosos, pagos a peso de ouro, interrompiam os shows, para citarem o nome do prefeito e outras autoridades, em completo e absurdo descumprimento do princípio da impessoalidade. Algumas prefeituras assumiam o risco decorrente de eventual prejuízo de tais shows.

         Com o advento da crise, e obrigadas pela pobreza dos cofres públicos, as autoridades iniciaram um processo de distanciamento de tais festas, limitando a participação ao estritamente necessário. Na verdade, os eventos, de há muito, desviaram-se de seus objetivos iniciais.

         As festas passaram a buscar a frequência de multidões, sequiosas por parques, shows e rodeios. A parcela efetivamente destinada aos agricultores e pecuaristas foi crescentemente reduzida.

         Produtores buscam bons reprodutores, ensinamentos técnicos, oportunidades de negócio, tratores, máquinas e implementos, material genético e, sobretudo, integração e troca de informações, dentre outros benefícios. A eles, pouco importa o artista, o parque e o rodeio.

         Comerciantes sempre reclamaram da ressaca pós- feiras, com a inevitável queda das vendas, nas semanas e meses seguintes. As festas, de fato, exportavam economias locais e regionais.

         Na busca de multidões, as feiras, muitas, menosprezavam artistas locais, por não figurarem dentre os campeões de popularidade. Saberes rurais, do dia-a-dia dos produtores, também costumam ser menosprezados.

         Exposições, feiras e festas, voltadas exclusivamente aos produtores, envolvem poucos recursos, e ainda podem propiciar a integração entre urbanos e rurais. A culinária local pode ser valorizada, e produtos os mais diversos podem ser ofertados.

         As prefeituras, em respeito às prioridades ainda insatisfeitas, como conservação de estradas e ruas, saúde, trânsito, segurança e saneamento, dentre outras, devem colaborar no estritamente necessário, sem qualquer gasto, risco ou esforço com rodeios, shows, parques e beberagem.

         Sindicatos rurais, associações de produtores, cooperativas e até produtores isolados podem organizar e patrocinar tais festas, sem verter recursos das tetas públicas. Se os envolvidos na atividade não forem capazes de tal iniciativa, é preferível não realizar tais eventos.

         Alguns municípios, como Barretos e Ribeirão Preto, fazem das festas fonte de atração turística e financeira, em nada parecendo as muitas festas interior afora, que trocam poucos dias de euforia por meses seguidos de penúria, que atinge pesadamente os moradores locais e suas necessidades.

         É hora de rever antigos hábitos, tão perdulários quanto extravagantes, e, agora, também irresponsáveis.

                                                                    pedroinovaes@uol.com.br

         O autor é engenheiro agrônomo e advogado, aposentado.