A trajetória de Erlon Chaves

A trajetória de Erlon Chaves Fonte da Foto: Divulgação

Erlon iniciou como rádio ator na rádio Difusora, em São Paulo, aos 4 anos, ao lado de Walter Avancini, Luís Carlos Miéle e Hebe Camargo no “Programa Clube do Papai Noel”. Logo foi incorporado ao cast musical da TV Tupi, onde participou do período formador da TV Brasileira; como a composição do jingle “Já é hora de dormir”, parceria com Mario Fanucchi em 1951 para a Tupi. No mesmo período gravou também vários LP’s de 78 RPM como cantor, atingindo certo sucesso.

Assumiu a regência de Orquestra da TV em 1957, época em que iniciou as atividades em gravadoras, fazendo arranjos em discos para vários artistas (inicialmente para Doris Monteiro, Rosa Pardini, Noite Ilustrada, Maysa, e nos anos 1960 para Agostinho dos Santos, Nara Leão, Elis Regina, Geraldo Vandré, Wilson Simonal, entre outros).

Com Elis Regina, participou como arranjador das turnês pela Europa em 1968.

Na televisão Erlon Chaves dirigiu programas de variedades musicais (“Erlon Chaves Show”), criou vinhetas para a TV Excelsior e foi diretor musical da TV Cultura e da TV Rio (nesta, a convite de José Bonifácio de Andrade Sobrinho, o Boni). Compôs também temas de sucesso para as primeiras trilhas de novelas de 1964 até 1970 nas TVs Tupi e Globo.

Participou ativamente da ‘Era dos Festivais’, tendo sido jurado e diretor musical do I FIC (Festival Internacional da Canção) – para o qual compôs o “Hino dos Festivais” (parceria com Ronaldo Boscoli) e apresentou-se no V FIC de 1970, com a polêmica performance de “Eu também quero mocotó”. Apresentação que resultou em sua prisão, censuras e problemas junto aos órgãos de repressão da ditadura militar.

Erlon Chaves compôs ainda trilhas sonoras para 23 filmes entre 1954 e 1974. E foi um dos precursores do Movimento Black Rio, com a sua Banda Veneno, entre 1970 e 1974.

O documentário ERLON CHAVES: O MAESTRO DO VENENO! apresenta as diferentes fases e facetas musicais do Maestro: o início no radio; o arranjador de vários sucessos; o compositor de trilhas para TV e Cinema e o precursor da Soul Music no Brasil com a “Banda Veneno”.

O filme apresenta, através de imagens de arquivo, depoimentos, encontros musicais e recriações sonoras feitas por DJ Nuts, um amplo panorama do trabalho musical de Erlon Chaves. (Matéria a pedido de nossos leitores da capital)

 

 

 

 

Veja Também