Consultor é preso, acusado de fazer parte de um esquema milionário na região de Rio Claro

Consultor é preso, acusado de fazer parte de um esquema milionário na região de Rio Claro Fonte da Foto: ilustrativa

O que a cúpula do prefeito Jô Silvestre que tanto defendia o advogado Marcelo Silveira Aith não sabia é que ele vinha fazendo parte de um esquema milionário com mais pessoas em um modelo de crime em que, de acordo com o Ministério Público (MP), forjavam mandados de prisão e até mesmo notícias inverídicas envolvendo operações do próprio Gaeco contra empresários da região Rio Claro.

De acordo com informações publicadas pelo Portal do G1, foram cumpridos seis mandados de prisão preventiva contra advogados, empresários e executivos, três mandados de condução coercitiva, sendo dois contra agentes públicos e 11 de busca e apreensão, segundo o MP. A operação, nomeada de Fumaça, ocorreu nas cidades de Rio Claro (SP), Piracicaba, Itu (SP), Piraju (SP), Avaré (SP) e São Paulo.

Um dos mandados de prisão foi cumprido em Piracicaba e houve uma condução coercitiva em Rio Claro. De acordo com o MP, a organização identificava empresários que eram investigados criminalmente e prometia intervir na Justiça para resolver as pendências.

“O grupo prometia que iria interceder junto a autoridades públicas do sistema de Justiça penal para resolver as pendências criminais de suas vítimas e forjava mandados de prisão e notícias sobre operações do Gaeco contra suas vítimas prometendo que as ordens de prisão e operações seriam suspensas caso os valores exigidos fossem pagos”, informou, por nota, o MP ao Portal do G1.

Os envolvidos são investigados por extorsão, corrupção passiva e concussão. A operação teve o apoio da Polícia Militar, da Corregedoria da Polícia Civil e da Receita Federal.

MP informou que a investigação é sigilosa, o que impede a divulgação de outras informações.

Veja Também