CPI: primeiras investigações apontam para suposta omissão da Procuradoria

CPI: primeiras investigações apontam para suposta omissão da Procuradoria Fonte da Foto: Ogunhê

Os vereadores da chamada CPI da Dívida Ativa retomam hoje, dia 06, os trabalhos da Comissão, que foram suspensos por causa de uma liminar.

Na noite de ontem, 05, os vereadores Flávio Zandoná (presidente da Comissão), Ernesto Albuquerque (relator) e Marialva Biazon (membro) realizaram uma coletiva de imprensa para falar da retomada dos trabalhos.

Esta semana, os advogados da Câmara conseguiram derrubar a liminar impetrada pela Prefeitura de Avaré.

De acordo com os vereadores, a CPI terá 60 dias para trabalhar e investigar dividas da Prefeitura dos anos de 2017 e 2018, que teriam prescritas.

Segundo o presidente da Câmara, Barreto do Mercado, um primeiro levantamento, feito junto ao poder judiciário, aponta que mais de 1200 processos prescreveram e o valor ultrapassaria a quantia de R$ 5,5 milhões.

De acordo com Flávio Zandoná, o primeiro passo será notificar novamente a Prefeitura das informações que a Comissão precisa. “A gente imagina que vai ter muita dificuldade e se isso realmente acontecer, vamos pessoalmente até o Executivo buscar os documentos que precisamos. A CPI tem este poder”, afirmou o presidente.

Segundo Marialva Biazon, as primeiras investigações apontam para uma suposta omissão por parte da Procuradoria do Município. “Em tese, há deficiência no serviço que está sendo prestado lá”, diz a vereadora.

Para os membros da CPI, há o risco da Procuradoria tentar barrar os trabalhos novamente. “Isso é muito estranho, já que o papel dos procuradores é justamente defender o Município. Eles deveriam encabeçar esta investigação”, disse Marialva Biazon.

Veja Também