Fatos teriam sido relatados a superiores, mas sem providências

Fatos teriam sido relatados a superiores, mas sem providências Fonte da Foto: divulgação

Segundo algumas fontes que trabalham no setor de transporte escolar, quando certas irregularidades são relatadas pelas monitoras aos seus superiores, revelam que nada é feito e apenas solicitam a apresentação de um relatório e outros relatórios, e que acaba não sendo resolvida a questão, o que acaba gerando agressão e ameaça contra monitoras, como ocorreu recentemente com uma que foi agredida por duas mães.

Revela uma profissional da área que elas se tornam responsáveis pelas crianças, duplamente, pois não podem deixá-las sozinhas no ponto e não podem se negar a transportá-las no dia seguinte, mesmo sabendo que os responsáveis não comparecerão ao ponto, sob pena de serem ameaçados de troca de linha, serem colocadas à disposição da Secretaria da Educação ou até mesmo serem trocadas de linha sem qualquer explicação.

Além de, muitas vezes, terem que trabalhar em veículos sem condições mínimas de utilização e segurança para eles e para as crianças. " O transporte escolar, nos moldes em que funciona hoje em dia, é ultrapassado e perigoso”, relata uma monitora. Para ela, a Prefeitura Municipal teria que ampliar a qualidade do oferecimento do serviço à população e, ao mesmo tempo, dar mais segurança e credibilidade aos motoristas e monitores, que conhecem os alunos que transportam.

Veja Também