Futura 1ª-dama manda tirar obra de Djanira do Palácio da Alvorada

Futura 1ª-dama manda tirar obra de Djanira do Palácio da Alvorada Fonte da Foto: divulgação

Reportagem de Mariana Carneiro e Gustavo Uribe na Folha de S.Paulo informa que, com a posse de Jair Bolsonaro, obras de arte com imagens sacras devem ser transferidas do Palácio da Alvorada, onde irá morar a família do presidente eleito, rumo ao Palácio do Jaburu. Hoje, a residência oficial apresenta como parte de seu mobiliário cinco peças de simbologia católica: um par de anjos barrocos tocheiros, na biblioteca, e quatro estátuas de santos nas salas de música e de estado.

Um das obras que deve ser retirada é pintura “Orixás”, da avareense Djanira da Motta.

De acordo com a publicação, outra é a imagem em madeira de Santa Bárbara, do século 18. O vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, confirmou o recebimento da escultura. “Ela é, inclusive, padroeira da artilharia”, disse à Folha. O general e sua mulher são católicos e, assim como o presidente eleito, ele estudou na Academia Militar das Agulhas Negras com especialidade em artilharia.

Segundo relatos feitos à Folha por três funcionários do Palácio do Planalto, a transferência ocorrerá após a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, ter demonstrado um desejo na retirada das obras. Ela teria perguntado se seria possível que as obras deixassem o Palácio da Alvorada.

Procurada pela reportagem, a assessoria da futura primeira-dama informou que ela não tinha interesse em falar com a Folha. A mulher do presidente eleito frequenta a Igreja Batista Atitude, no Rio de Janeiro. As denominações evangélicas não costumam adorar esculturas de santo. Para o ex-curador da Presidência da República Rogério Carvalho, a futura primeira-dama tem sido mal assessorada. Na sua avaliação, é natural que o novo presidente faça mudanças na área privativa, cujo acesso não é público. “Mas, na parte pública, o ideal é que as peças de arte sejam mantidas para preservar a leitura histórica”, disse.

Veja Também