Jô Silvestre continua acreditando cegamente em seus escudeiros

Jô Silvestre continua acreditando cegamente em seus escudeiros Fonte da Foto: Divulgação

A notícia da desapropriação da Fazenda Água da Onça pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Avaré, que beirava ao sensacionalismo barato, estando mais próxima a um factoide, teve ontem um final completamente inverso do que pregava o prefeito, através de uma emissora de rádio.

Trata-se de um fato consistente levantado por setores da imprensa, no sentido de levar a verdade para a população, e que deixa evidenciado que o prefeito Jô Silvestre esteja completamente alheio ao processo para acreditar em tudo que falam aos seus ouvidos.  Possivelmente, esteja cercado de supostos rábulas que, em tese, estariam proporcionando ao prefeito momentos de infelicidade administrativa, sendo que estaria virando piada o que diz respeito à tão alardeada desapropriação dos 68 alqueires da Fazenda Água da Onça.

A Prefeitura de Avaré, através do prefeito Jô Silvestre, fez um acordo sem respeitar o devido processo legal; agora, o acordo e a decisão que o homologou foram anulados pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, o que quer dizer que toda aquela transação que o prefeito informou no último dia 6 de novembro, em um programa de rádio, não passou de inverdade e, ao que parece, o jogo seria utilizar essa falsa desapropriação como trampolim para a política de 2020.

Se a ideia teria sido essa, Jô Silvestre se mostra totalmente mal assessorado, pois uma sequência de erros foi descoberta por setores da imprensa a respeito desses 68 alqueires. Documentos comprovam que a fazenda está penhorada em nome da Clínica, conforme informou uma das advogadas que defende sua proprietária. Então, como explicar, senhor prefeito Joselyr Benedito da Costa Silvestre, que está tudo certo e que, em breve, a Prefeitura vai fazer medições no terreno que não lhe pertence?

Veja Também