Magistrado condena secretário por informação não confirmada

Magistrado condena secretário por informação não confirmada Fonte da Foto: Wilson Ogunhê

Está no processo que o réu (Josená) disse em seu programa de radiodifusão que a vítima (Toninho da Lorsa), na qualidade de presidente da Câmara, cobrava melhor administração da Prefeitura, mas não pagava o IPTU que devia, o que foi verificado pela Justiça, como uma pura inverdade. Na foto acima, o eminente Magistrado Jair Antonio Pena Junior que condenou o secretário de Comunicação da Prefeitura de Avaré, Josená  Bijolada.

O próprio réu (Josená) confirmou as ofensas e foi desmentido na própria sentença, através de certidões que deram conta de que não existiam as tais execuções fiscais. O mais estarrecedor foi que o réu (Josená) disse ao juiz que as informações que serviram de base para sua “notícia” foram recebidas de grupos de Whatsapp - uma imagem de dívida fiscal da vítima (Toninho da Lorsa). Disse ainda Josená ao juiz que acabou se excedendo em suas palavras, mostrando o secretário de Jô Silvestre que tinha noção do dano causado à vítima.

Na audiência, ele teve que contar com o apoio de duas testemunhas que, na opinião dele, seriam “chave”, o assessor do prefeito Valdinei Muniz e o tucano Denílson Ziroldo, que fizeram a defesa de Bijolada. No caso de Denílson, este disse que recebeu a mesma imagem de Whatsapp que continha suposta execução fiscal contra Toninho da Lorsa, o que se provou uma fake news, pois certidões judiciais provaram a inexistência dessas execuções e ninguém mostrou essa imagem que foi citada no processo e nem apontou seu autor.

Mas outro ponto deixa Josená em palpos de aranha, pois, para tentar diminuir sua pena, alegou ao juiz que havia feito uma retratação na rádio, apresentando uma gravação. O problema é que essa gravação foi considerada suspeita de fraude processual, conforme já mencionado em matéria neste jornal. O juiz decidiu abrir uma investigação dessa suposta fraude e o caso foi parar no Ministério Público, que encaminhou para abertura de inquérito na Polícia Civil, o que, certamente, vai trazer novas dores de cabeça ao secretário de Jô Silvestre.

Veja Também