PAPO DE ESQUINA

Jornal do Ogunhe

Marialva é condenada à perda de função pública

A Justiça de Itatinga condenou a atual vereadora de Avaré, Marialva Biazon (PSDB) à perda da função pública, ao ressarcimento integral aos cofres públicos da Prefeitura de Itatinga, suspensão dos direitos políticos por 5 anos e multa. Ela ainda foi condenada à proibição de contratar com o poder público pelo prazo de 3 anos. Cabe recurso. A matéria é do site Avaré Urgente editado pelo jornalista Marcelo Ribeiro.

De acordo com o site de notícias, a sentença foi proferida pelo Juiz Wellington Barizon do Foro de Itatinga no dia 30 de janeiro e publicada na terça-feira, dia 6 de fevereiro.

A Ação Civil Pública de improbidade administrativa foi proposta pelo Ministério Público. Segundo o MP, após investigação, ficou constatado que Marialva teria acumulado o cargo de Diretora de Saúde no Município de Itatinga, no período de 11 de abril de 2013 e 1º de agosto de 2013, e o cargo em comissão de Assistente Técnico V, na Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, que fica em Avaré, cargo que passou a exercer em 29 de abril de 2013.

Para o MP, Marialva teria acumulado cargos públicos de forma indevida. Durante a investigação dos fatos, a atual vereadora de Avaré devolveu aos cofres municipais de Itatinga o valor de R$ 9.735,78, recurso que ela teria recebido no período em que permaneceu no cargo de Diretora de Saúde.

 Em sua defesa, a atual vereadora em Avaré Marialva Biazon destacou que fez a devolução dos valores recebidos do Município de Itatinga. No mérito, destacou falta de ocorrência da improbidade administrativa, pois, “não ficou demonstrado que a requerida agiu com desonestidade ou má fé, no intuito de se enriquecer ilicitamente e causar dano ao erário público”.

Sua defesa alegou ainda inconstitucionalidade referente à cumulação indevida de cargo. “Aduz ainda, que o decreto de n° 41.915 de 1997 autoriza o acumulo de cargos públicos quando há compatibilidade de horário. Portanto, a requerida (Marialva) teria agido em conforme o decreto, tento em vista que quando terminava o expediente no Horto Florestal de Avaré, dirigia-se a Itatinga, posto não possuir horário fixo”.

 Em sua sentença, o magistrado de Itatinga destacou que Marialva teria feito duas declarações falsas, negando o acumulo de cargos. “Não exerço cargo, emprego ou função pública nesta municipalidade ou em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e de outros Municípios em regime de acúmulo, e nem percebo proventos de aposentadoria ocorrida na forma dos artigos 40, 42 ou 142 da Constituição Federal”.

Essa foi a declaração que Marialva teria apresentado para assumir o cargo de Diretora de Saúde de Itatinga. “Portanto, comprovado que a ré praticou o ato de improbidade”, destaca o Juiz. “Contudo, faz jus às demais sanções, posto que a conduta da ré (Marialva) deve ser sancionada à altura da conduta, sobretudo por negligenciar área da máxima importância com a sua má-fé à frente do cargo de Diretora da Saúde”, completou.

Marialva Biazon foi condenada à perda de todo e quaisquer bens ou valores acrescidos ilicitamente com a prática do ato ao seu patrimônio, se houver, já que deles não se tem notícia nos autos; ressarcimento integral do dano causado aos Cofres Públicos no valor do total da remuneração por ela percebida durante o período do cúmulo ilegal, observando-se que, dada a devolução já verificada nos autos, nada mais há de ser ressarcido e perda imediata da função pública, se estiver exercendo alguma quando do trânsito em julgado desta sentença; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de (05) cinco anos.

Ela foi condenada, ainda, ao pagamento de multa civil de dez (10) vezes o valor da remuneração recebida pela ré no cargo de Diretor de Saúde de Itatinga à época do fato, alcançando, portanto, a soma de R$ 26.630,00- com correção monetária e juros a contar da sentença; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócia majoritária, pelo prazo de três (03) anos.

De acordo com a informação do site, como a sentença é de primeira instância, Marialva poderá recorrer da decisão. Enquanto a instância superior, ou seja, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ/SP) não julgar o recurso, ela seguirá com suas funções como vereadora de Avaré.

Tags:

SEC AVARÉ

VEJA TAMBÉM

24 de fevereiro, 2018

Assunto polêmico volta a ser discutido na Câmara dia 5 de Março

24 de fevereiro, 2018

Câmara acaba promovendo discurso de ódio

24 de fevereiro, 2018

A mesma Câmara teve vereador transgênero

24 de fevereiro, 2018

Morelli pode ter praticado quebra de decoro

24 de fevereiro, 2018

Câmara discute quebra de decoro de vereadora

24 de fevereiro, 2018

Ripoli criticou aumento do vale-alimentação e teve que escutar

24 de fevereiro, 2018

Professores participam de oficinas de capacitação

24 de fevereiro, 2018

Professores ouvem palestra sobre relações humanizadoras

24 de fevereiro, 2018

O que fazer com os produtos sem giro?

23 de fevereiro, 2018

Processo: Jô Silvestre pode estar próximo de perder os direitos políticos

23 de fevereiro, 2018

C. César: vereador presta depoimento sobre vídeo com Zaloti

23 de fevereiro, 2018

Carnês de IPTU já estão sendo entregues

23 de fevereiro, 2018

Concurso da Ceagesp tem vagas para Avaré

23 de fevereiro, 2018

Médico é acusado de mandar “nudes” de dentro de hospital

23 de fevereiro, 2018

Reunião confirma união para permanência da ABQM na cidade

23 de fevereiro, 2018

Internautas discutiram atitude de vereador

23 de fevereiro, 2018

Botucatu poderá virar Estância Turística

23 de fevereiro, 2018

Rodovia Coronel Macedo/Itaporanga continua interditada

23 de fevereiro, 2018

TJ-DF mantém condenação de Joaquim Barbosa por insultar jornalista

22 de fevereiro, 2018

Vereador é condenado pela Justiça em 1ª  instância

22 de fevereiro, 2018

Polícia prende mãe, filha e genro por tráfico de drogas

22 de fevereiro, 2018

Avaré e Piraju recebem espetáculo multimídia

Ir para o topo