Para salvar pele de secretária querem culpar vereadora

Para salvar pele de secretária querem culpar vereadora Fonte da Foto: internet

Do jeito que vem sendo discutido na Câmara de Vereadores o problema do transporte escolar, se observa que a questão partidária continua sendo utilizada no sentido de induzir a população a acreditar que pela denúncia feita pela vereadora Adalgisa estaria prejudicando as crianças carentes do município.

Cabe a informação ser levada da forma correta para que o nosso leitor entenda o que ocorreu de maneira mais eficaz. Quando o Jornal do Ogunhê levantou essa questão foi com relação ao ônibus escolar do município que estava passando em escolas particulares, mas antes conversamos como a direção de uma escola particular e a mesma informou que não tinha convênio algum com a Prefeitura ou outra forma de permissão.

Ponto final e o erro já estava aí, quando então flagramos um ônibus escolar parando em frente a escola e a menina entrando no veículo. Não mostramos o rosto da menina respeitando as normas e apenas isso já serviu como discussão de vereador no plenário da Câmara. Agora essa conversa que bolsistas que são pobres e que ganharam bolsa em escolas particulares, não passam de meia dúzia, essa é mais uma história da carochinha levantada para induzir a população, já que “a carona não é permitida” sendo que quando está errado e contra a lei, não adianta apelações, o fato é que a secretária de Educação sabia, caso contrario não teria declarado no aúdio 3 vezes que tinha errado.

Curiosamente, na segunda-feira um debate na Câmara foi arguido por um vereador da base que a denúncia feita por uma vereadora iria prejudicar as crianças carentes que precisam do transporte. Ato falho do vereador porque pelo que sabemos criança carente não estuda em escolas particulares e quem ganha um bolsa de estudo prefere fazer tudo certo mesmo sendo pode bolsista, pois conheço poucos bolsistas que vão à escola a pé ou de bicicleta, estão contentes por ter ganhado a bolsa, então para que causar problemas maiores? A lei não pode ser deixada de lado.

A questão se define unicamente como briga política, com uma secretária de Educação teoricamente querendo fazer média com todo mundo (né, Barreto!), passa por cima da lei como se nesse governo tudo pode fazer ou acontecer que nada será punido.

O mais interessante ainda é que passam por cima da lei e ainda tentam induzir a população a erro não observando o foco da matéria, quando então se descobre outros fatos através de uma reunião feita pela secretária de educação que no áudio assume que está errada por três vezes e a justificativa e procurar bodes expiatórios para sanar o problema que é mais sério do que imagina.

Porque este jornal e muito menos a vereadora, não falou nada daquelas escolas que tem convênio com a Prefeitura e mesmo assim esse transporte tem que ser pago com recursos da Prefeitura e não do Fundeb e ainda existe a proibição de “carona”, pois afinal se acontecer alguma coisa com uma “caronista” que venha a sofrer um acidente caindo do ônibus, quem vai responder? Por isso lei é lei, o que esse governo parece não ter conhecimento.

Veja Também