Recesso na Câmara será de 2 meses, um absurdo

Recesso na Câmara será de 2 meses, um absurdo Fonte da Foto: Divulgação

Uma situação que nem seria classificada como inusitada, mas que teve um viés mais político do que outra coisa, protagonizada pela base do prefeito, talvez no sentido de causar embaraço ao grupo de oposição, como se isso estivesse ajudando Avaré, no caso dos vereadores do prefeito votarem a favor da continuidade do recesso parlamentar em 88 dias.

Nas redes sociais, pessoas estariam entendendo que teriam sido todos os vereadores a concordar com essa jogada política, mas não foi, a falta de sensibilidade foi planejada  ou orquestrada pelos vereadores que apoiam o prefeito Jô Silvestre, deixando um exemplo de extremo uso político, sem analisar o que a sociedade já está pensando neste caso.

Para alguns internautas, a base do prefeito não mostra interesse e muito menos se preocupa com o que a sociedade pensa, haja vista que 31 dias de descanso seriam o ideal e o mais certo, uma vez que o Legislativo simplesmente daria exemplo.

Como comentou uma internauta pelo zap, “O grupo do prefeito não está interessado em mostrar o que é certo, o interesse está mais pelo lado financeiro, colocando na mesma vala pessoas de oposição que gostariam que a Câmara mostrasse exemplo. Absurdo”.

Votaram para que o projeto de 31 dias fosse rejeitado, mantendo os 88 dias de recesso os seguintes vereadores da base do prefeito: Alessandro Rios, Ivan da Comitiva, Roberto Araújo, Jairinho do Paineiras, Carlos Alberto Estati e César Augusto Morelli. Com certeza, se forem candidatos na próxima eleição, vão ter que molhar a camisa, e muito, para serem reeleitos.  Dessa forma, quando deveriam voltar ao parlamento no final de 31 dias, desta vez voltarão somente dia primeiro de fevereiro, portanto  uma média de 60 dias de descanso e a base do prefeito acha que está certa. As urnas mostrarão.

Veja Também