Barreto queria diretora fora da Câmara a qualquer preço

Barreto queria diretora fora da Câmara a qualquer preço Fonte da Foto: A Voz do Vale

O presidente da Câmara de Avaré, Barreto de Monte Neto, às vésperas de uma eleição, continua sendo protagonista de uma situação que nada ajuda o seu partido, ao usar de um suposto poder que não tem para tentar de todas as formas, mandar embora a diretora da Câmara Ádria de Paula.

O que mostra que se trata de uma questão política e que o presidente Barreto e o jurídico do legislativo ao ignorarem as normas do Regimento Interno, exoneram a diretora Ádria de Paula, como se Barreto fosse teoricamente o proprietário da Câmara, sem uma consulta prévia ao regimento da Casa.

Em análise ao processo, o Juiz Diogo Castro verificou que o Regimento Interno da Câmara não teria sido respeitado pela presidência, o qual determina que os vereadores sejam convocados para as sessões extraordinárias, mediante comunicação pessoal e escrita, com antecedência mínima de 24 horas.

O advogado Marcelo José Ortega que defende a Diretora da Câmara, Adria de Paula, disse que o presidente da Câmara agora pretende tumultuar o processo com um pedido de retratação do juiz com alegações desconexas, descontextualizadas e maldosas, na tentativa de passar uma imagem negativa da servidora Ádria de Paula e influenciar na formação da convicção do magistrado, de maneira desrespeitosa contra o Juízo da 1ª Vara Civil de Avaré”. Afirma o advogado

Mas o que mostra que as coisas começam a se complicar para lado de Barreto de Monte Neto e que até já foi publicado por alguns sites da cidade. É que o Ministério Público além de reforçar os direitos da diretora Adria de Paula, poderá anular a sessão, aquela em que o presidente descontou um percentual do salário dos cinco vereadores, uma questão que provavelmente vai ser discutido pelos vereadores.

 

Veja Também