Crise no PS: Teria havido revolta dos médicos contra o secretário de saúde?

Crise no PS: Teria havido revolta dos médicos contra o secretário de saúde? Fonte da Foto: Divulgação

A audiência pública da saúde que foi realizada na última sexta-feira, dia 28 na Câmara Municipal de Avaré revelou uma situação contraditória e que foi rebatida nas redes sociais. Uma funcionária da secretaria de saúde que fazia uma explanação na audiência pública tentou atribuir a falta de médicos no pronto socorro à fiscalização de vereadores, mas uma enxurrada de críticas recaíram contra a Secretaria de Saúde, inclusive com pessoas pedindo a demissão do secretário.

Essa funcionária tentou justificar a ausência do Secretário de Saúde, Roslindo Machado, que deveria estar na audiência pública, mas não teria comparecido porque, segundo ela, estava fazendo um decreto municipal para restrição de circulação de pessoas em regime de urgência.

Na presença de vereadores a funcionária disse que “em virtude do ocorrido essa semana né, mídia, tudo o que aconteceu lá dentro do pronto socorro, os médicos não querem trabalhar. E disseram que em Avaré eles não vão ficar, não vão trabalhar.”

Parecendo ter sido orientada, a funcionária tentou tirar a responsabilidade da secretaria de saúde na crise do pronto socorro e colocar a culpa no povo e nos vereadores. “Os médicos não querem trabalhar, diz que a pressão é muito grande da população e dos vereadores”.

Segundo uma fonte que trabalha no pronto socorro, a funcionária foi totalmente infeliz na sua fala porque o que existe é uma revolta dos médicos com a postura da secretaria e do secretário da saúde há meses com direito a dedo apontado e humilhação de médicos durante os plantões. A fonte relata que alguns médicos deixaram de atender no pronto socorro e foram trabalhar em cidades vizinhas devido ao desrespeito da ex-coordenadora e do secretário.

 

Veja Também