Desconhecimento de Zandoná poderá trazer abertura de uma CPI

Desconhecimento de Zandoná poderá trazer abertura de uma CPI Fonte da Foto: arquivo

O presidente da Câmara de Avaré, Flávio Zandoná, ao cometer um erro regimental na sessão do dia 23, permitindo o secretário de Administração a usar da tribuna em momento que o Regimento Interno não permite, fato que provocou protesto por parte da oposição, que saiu do plenário, por não concordar com a atitude do presidente Zandoná, que foi alertado por vereadores da oposição.

O que trouxe mais irritação e indignação aos vereadores de oposição é que do nada o presidente Zandoná permitiu  que o secretário de Administração usasse da palavra, ainda não permitindo que os vereadores de oposição viessem a questionar alguns pontos, o que na ótica do vereador Carlos Wagner; esse posicionamento de Zandoná deixava séria conotação de cerceamento, o que deixava muito claro que o presidente da Câmara mostrava ter perdido o norte, como se as leis da Câmara teoricamente não tivessem valor para ele.

Causídicos e antigos políticos ouvidos pelo jornal afirmaram com convicção que o caso da empresa Arpoador, merece a abertura de uma Comissão Parlamentar, pois o secretário não se propôs a justificar o caso que envolve a empresa Arpoador, mas sim justificou o trâmite de compras e disse que a sua pasta não tem nada e que ele (secretário) não tem nada com esse tipo de compras. Para conhecedores do assunto, visto que o secretário não explicou especificamente sobre os gastos com a empresa Arpoador, a instalação de uma CPI seria necessário para esclarecer melhor o caso do gasto milionário com a empresa de Tatuapé.

Veja Também