Justiça Eleitoral julga improcedente ação contra caso dos “laranjas”

Justiça Eleitoral julga improcedente ação contra caso dos “laranjas” Fonte da Foto: reprodução

O candidato a vereador pelo PTB, Moacir Lima, que acabou não sendo eleito, foi autor de um pedido de investigação eleitoral contra os partidos Cidadania e Republicanos, partidos que Lima baseou nas duas legendas que na ótica dele estariam participados da eleição com “candidatos laranjas”.

A notícia já vinha ganhando repercussão depois de publicada em vários sites da cidade e também no Jornal A Comarca, dividindo opiniões na época. Na época, Moacir Lima que não foi eleito chegou a questionar a candidata Bianca Borges que é do Cidadania, que obteve um voto que concorreu como seu pai Claudinei Borges, em que apenas Flavio Zandoná foi reeleito.

Moacir Lima questionou várias candidaturas como da candidata Talita Cotrim Tiburcio do Republicanos que obteve seis votos, sendo que sua irmã Ana Paula Tibúrcio foi eleita com 697 votos. A alegação de Lima é que Talita teria feito campanha através da rede social para a irmã.

Nessa toada, o político Moacir Lima entrou então com uma ação de investigação judicial, que acabou sendo julgada, recentemente, pela Justiça Eleitoral de Avaré como improcedente, pois para a magistrada faltaram provas, e que ônus da prova competia a Moacir Lima, e que as apresentadas não foram satisfatórias. O Jornal A Comarca traz hoje melhores informações sobre o ação que foi julgada improcedente.

Veja Também