Seguranças barram entrada de denunciante no recinto da Emapa

Seguranças barram entrada de denunciante no recinto da Emapa Fonte da Foto: Divulgação

A empresaria G.P. que fez a denúncia contra o secretário de Turismo buscou levantar mais informações e provas no Recinto da Emapa, mas acabou sendo impedida de entrar por causa das atitudes suspeitas dos seguranças no local, mostrando que a Emapa não pertence mais ao povo e que a atual administração preferiu entregar a uma elite, que ganhou de mão beijada do prefeito o direito de burlar as leis e fazer aglomerações, o que está proibido para os demais cidadãos que não são amigos do rei, uma atitude que toda a população já percebeu e que está gerando muitos protestos nas redes sociais.

Segundo a empresária e denunciante as atitudes suspeitas dos seguranças no sentido de barrar a cidadã mostram que algo de errado estava ocorrendo no Parque de Exposição e reforçou as suspeitas de que o secretário Danilo Santos estaria por trás da prestação de serviços de segurança no local, uma atitude que é legalmente vedada já que ele é membro da administração atual e esse se tornou assunto de denúncia na Polícia Federal.

O prefeito Jô Silvestre em plena pandemia entregou o parque da Emapa integralmente à Associação Nacional do Cavalo de Rédeas (ANCR), mostrando sua preferência por um evento da elite, deixando a população submetida às restrições das leis de prevenção à Covid-19.

Ela diz ter sido destratada por um segurança e que, inclusive, fecharam o portão em cima do seu carro e o profissional teria mostrado total descontrole, agindo aos gritos, o que demonstra sua falta de treinamento. A denunciante também alega falta de registros e autorizações da empresa de Danilo Santos para prestar os serviços, o que seria mais uma irregularidade. O secretário de Turismo deu entrevista ao Jornal A Voz do Vale e negou todas as acusações. Já a denunciante disse ao Jornal do Ogunhê que possui provas das irregularidades e que, além do BO, já providenciou denúncia na Polícia Federal.

Veja Também